Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

CRIME ORGANIZADO

Chefão do PCC preso em Assunção já está em poder da PF

Principal gerente da facção, 'Pisca' tem destino mantido em sigilo

19 JUL 18 - 16h:01RAFAEL RIBEIRO

O traficante Eduardo Aparecido de Almeida, 39 anos, conhecido como 'Pisca' e preso pela polícia paraguaia na mansão onde morava em Assunção, capital do país vizinho, na última quarta-feira (18), já em poder das autoridades brasileiras.

De acordo com informações da Secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai, 'Pisca' foi extraditado em tempo recorde pelo Judiciário local, visto que a operação para prendê-lo foi desencandeada em conjunto com a Polícia Federal do Brasil, que forneceu informações e contatos.

Ainda de acordo com a polícia paraguaia, 'Pisca' foi entregue de madrugada a agentes da PF em Foz do Iguaçu (PR), durante a madrugada. Seu destino final não foi revelado e o assunto é tratado com sigilo pelo lado brasileiro

'Pisca' é apontado como um dos principais líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC) no Paraguai e foi detido na casa de luxo onde morava, junto com um agente da polícia local que o protegia.

O brasileiro contava com seis ordens de captura por delitos ligados ao tráfico de drogas e armas, associação criminosa, sequestro e homicídios.

Chefão do PCC monitorava todo o quarteirão de sua mansão (Foto: Divulgação/Senad)

Procurado pela Justiça brasileira por diversos crimes, 'Pisca' foi acusado de ser um dos responsáveis, em 2006, pelo sequestro da mãe do ex-lateral-esquerdo Kléber, que na época defendia o Santos e passou também por Corinthians e Internacional, entre outros clubes e a Seleção Brasileira. Ele também possuía a função de fortalecimento das rotas de tráfico oriundas da Bolívia dentro da organização criminosa.

Segundo o ministro da Secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai, Hugo Vera, não consta nenhum registro de entrada do traficante em território paraguaio, o que leva a crer que ele utilizou documentos falsos.

Durante a operação policial que levou à prisão do traficante, ele tentou fugir pelos fundos da casa, localizada no bairro Herrera, próxima da sede da Controladoria Geral da República, mas foi interceptado.

A casa, alugada, pertence ao ex-jogador argentino de futebol do Cerro Porteño Roberto Nanni, que deixou o imóvel à disposição em uma imobiliária. O local tinha um sistema de câmeras de segurança que mostrava a movimentação em todo o quarteirão. Além de Almeida, foi preso o brasileiro Ricardo Moraes Alves e o policial paraguaio Carlos Alfredo Mendoza. O paraguaio emprestava seus documentos de identidade ao criminoso do PCC e realizava atividade de segurança no local.

Apesar do esquema de segurança, as autoridades informaram que ele levava uma vida tranquila e aproveitava o tempo para fazer passeios turísticos e de compras dentro do Paraguai. Carros, motos e relógios foram apreendidos na casa, mas armas não foram encontradas.

'Pisca' ascendeu no crime como um dos principais ladrões de carga na região de Itaim Paulista, zona leste de São Paulo (SP). Não demorou para assumir papel de destaque na facção, atuando em pontos estratégicos do tráfico, como Diadema (SP) e o litoral sul paulista. Além do caso de Kléber, a polícia descobriu na ocasião diversos planos de sequestro, tanto de familiares de jogadores de futebol, como de artistas e empresários.

Há um mês na função no Paraguai, é mais um membro do PCC com destaque na Baixada Santista a reforçar o quadro no Paraguai, conforme revelou o Correio do Estado.

De acordo com informações do Departamento Estadual de Investigações Criminais da Polícia Civil de São Paulo (Deic), 'Pisca' foi ao Paraguai assumir funções administrativos sob a benção do ex-ladrão de carros Gilberto Aparecido dos Santos, o 'Fuminho', principal braço direito de Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, líder máximo do PCC, e que depois da crise interna na facção assumiu o controle da fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai e Bolívia, esse último o país onde vive e controla plantações de hectares de coca.

A FACÇÃO

Denúncia oferecida pelo Ministério Público à Justiça neste mês detalhou o funcionamento da organização criminosa. O documento mostrou que o PCC montou um setor de “recursos humanos”, responsável pela manutenção de um cadastro atualizado de seus integrantes, além de ter organizado cursos de fabricação de bombas e de formar um “time” de matadores profissionais. Os criminosos chegaram a organizar uma espécie de “código penal” para seus membros. O promotor Lincoln Gakyia, que investiga o grupo, definiu o PCC como a maior organização criminosa da América do Sul.


 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Dia da Oportunidade atrai mais de 200 visitantes em Bataguassu
INFORME PUBLICITÁRIO

Dia da Oportunidade atrai mais de 200 visitantes em Bataguassu

Cursos de mestrado e doutorado terão 1,2 mil vagas para 2020 na UFMS
EDUCAÇÃO

Cursos de mestrado e doutorado terão 1,2 mil vagas para 2020 na UFMS

Onze filhotes de papagaio são retirados do ninho e maltratados
TRÁFICO DE ANIMAIS

Filhotes de papagaio são retirados do ninho e maltratados

Lotofácil faz mais um milionário em Mato Grosso do Sul
R$ 2,4 MILHÕES

Lotofácil faz mais um milionário em MS

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião