Campo Grande - MS, terça, 21 de agosto de 2018

BOMBOU

'Sra. Princesona' e 'Sr. Amorzão' culpam tradutor após gafe em passagem

24 SET 2017Por G104h:00

"Princesona" é uma fisioterapeuta, de 26 anos. "Amorzão" é um advogado, de 24. Ambos são de Santos, no litoral de São Paulo, e ficaram conhecidos nas redes sociais depois que tiveram os apelidos íntimos, típicos de qualquer casal, registrados em uma passagem aérea para a capital francesa, Paris, na Europa.

Mariana Chicolet e Renan Contrim se confundiram ao reservar as passagens para a viagem. Ao realizarem o procedimento pelo site da empresa aérea no início da semana, os campos de preenchimento foram apresentados no idioma português, mas de Portugal, no qual o "apelido", na verdade, significa "sobrenome".

"As passagens foram compradas por ela para me fazer uma surpresa. Só descobrimos o equívoco no cartão de embarque e quando recebemos o e-mail: 'Sra. Princesona e Sr. Armozão a reserva está confirmada'. Foi algo realmente hilário para nós desde o começo", explica Contrim, que mora há 9 meses em Dublin, na Irlanda.

"Realmente foi um engano, que eu nunca imaginaria estar tomando essas proporções. Nós mesmos rimos da passagem e da situação", complementa Mariana, que vive com o namorado na Europa. O casal fala que tratou o campo "apelido" como "um simples código de segurança", e culpa o tradutor automático do celular.

Na quarta-feira (20) ocorreu o embarque e os dois estavam apreensivos. "No aeroporto perguntaram o motivo desse nome, pois não estava no passaporte. Explicamos que pediram o apelido no site. Uma outra atendente foi chamada e nos liberaram, dizendo que nunca tinham visto isso", diz o advogado.

A viagem era rápida, foi planejada para durar dois dias, pois os dois estudam e trabalham em Dublin, que fica a 1h30 de Paris. "O final não poderia ser melhor. Conseguimos embarcar tranquilos. Pedi ela em noivado na Torre Eiffel e voltamos noivos para Dublin", conta Renan. Os dois namoram há cerca de dois anos.

"Foi tudo tão maravilhoso que até o que poderia ter dado errado deu super certo. Nós mesmos rimos da passagem e da situação, mas foi uma viagem especial do começo ao fim, literalmente", afirma Mariana. A irmã dela foi a responsável por compartilhar o caso em um grupo em uma rede social e acabou viralizando.

"Fomos totalmente surpreendidos com a repercussão, pois ainda estávamos viajando e inúmeras pessoas começaram a nos enviar mensagens de sites famosos compartilhando. Loucura", fala Renan. Apesar dos apelidos terem sido revelados, ambos permaneciam no anonimato até sexta-feira (22), quando apresentaram as identidades.

Para o G1, a Transavia, companhia holandesa do grupo Air France/KLM, explicou que os funcionários somente liberaram o embarque dos passageiros depois que todas as demais informações do passaporte foram checadas. Em casos semelhantes, a companhia explicou que alterações podem ser feitas até 2h antes dos voos.

 

 
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também