Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

LIVRO

Filho de Harry Potter volta às aulas

Filho de Harry Potter volta às aulas
03/09/2015 02:00 - BAND


 

Esta é a semana de volta às aulas, incluindo o filho do bruxo Harry Potter, James Sirius Potter, anunciou a escritora britânica J.K. Rowling em sua conta no Twitter.

"Estou em Edimburgo. Será que alguém pode desejar boa sorte de minha parte a James S. Potter na estação ferroviária King's Cross? Ele começa em Hogwarts hoje. #BackToHogwarts", escreveu a escritora na terça-feira, provocando entusiasmo entre os fãs da série.Em uma segunda mensagem postada no final do dia, ela anunciou que o garoto de 11 anos havia sido escolhido para Grifinória, mesma casa anunciada pelo chapéu seletor para seu pai quando este frequentou a escola de bruxos imaginária localizada na Escócia.

"Acabo de saber que James S. Potter entrou (sem surpresa) para a Grifinória", anunciou J.K. Rowling, que escreve regularmente notícias de seus heróis desde a publicação do último livro da série de sete volumes de sua saga, publicado em 2007.

Às vezes ela utiliza uma linguagem própria de seu mundo encantado que apenas os fãs compreendem.

Em meados de 2014, ela 'ressuscitou' Harry Potter pela primeira vez, com a publicação de um ensaio no qual ele e seu grupo de amigos voltava a Hogwarts durante um Torneio Mundial de Quadribol, esporte jogado sobre vassouras.

No final do ano, também publicou 12 contos inéditos mergulhando no universo do jovem mago em www.pottermore.com, o site dedicado ao mundo da saga.

Harry Potter é um dos maiores sucessos editoriais da história, com mais de 450 milhões de cópias vendidas em todo o mundo. As adaptações para o cinema também quebraram todos os recordes, com mais de sete bilhões de dólares em receitas.

Felpuda


Paixão política que extrapola o bom senso, chega nas redes sociais e se transforma em baixaria pode resultar em prejuízo no bolso. Isso foi o que aconteceu com autor de texto nada elogioso contra colega por diferenças em apoio a candidatos nas eleições de 2016. O dito-cujo foi condenado a pagar indenização de R$ 7 mil, com correção monetária e juros mensais a partir da publicação da sentença, além dos honorários advocatícios. Detalhe: os adversários daquela época hoje andam de braços dados. Pode?