MUSEU

Documentário gravado em MS mostra história de Kadiwéus

A exibição é gratuita e será feita no Museu da Imagem e do Som
07/08/2015 14:44 - DA REDAÇÃO


 

Filmado em terras indígenas Sul-Mato-Grossenses “ A nação que não esperou por Deus” dos cineastas Lucia Murat e Rodrigo Hinrichsen terá sua estréia no Museu da Imagem e do Som (MIS) sendo exibido às 19h nos dias 12, 13 e 14 de agosto, com entrada franca. A exibição do filme é uma realização da Vitrine Filmes e do CineClube Cinema d’ Horror.

O filme gira em torno da tribo indígena Kadiwéu que vive em Mato Grosso do Sul. A diretora visitou a tribo em 1999 para gravar outro filme, quando nasceu a ideia de gravar o doumentário. Nesses quase 16 anos, a luz elétrica, a televisão e as igrejas evangélicas chegaram ao local, além da luta de terra dos índios contra os pecuaristas.

A intenção foi analisar os diferentes caminhos da tribo perante aos acontecimentos e mostra ainda o impacto da chegada da eletricidade na região em paralelo aos impasses decorrentes de conflitos com pecuaristas, que invadiram parte de uma reserva.

Para a produtora, diretora e roteirista, Lucia Murat o filme foi feito em três momentos diferentes ao longo de 16 anos e mostra todo um contexto que envolve índios e brancos, “as reuniões que filmamos entre os Kadiwéu e os pecuaristas sobre a questão das terras e que estão apresentadas no documentário são reveladoras não somente da situação atual, mas dos preconceitos que se acumularam na história da conquista.

Com isso, podemos acompanhar a história da tribo durante um período de grande transformação, quando o contato com a sociedade branca se intensifica”, destaca Murat.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".