Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

terça, 19 de fevereiro de 2019 - 05h46min

Carnaval

Cinco escolas animaram a primeira
noite de desfiles em Corumbá

Nem mesmo a chuva espantou público da Cidade Branca neste domingo

12 FEV 18 - 09h:17LEANDRO ABREU

O primeiro dia de desfile das escolas de samba de Corumbá teve chuva, mas não acabou com a animação da festa. Cinco agremiações passaram pela avenida do samba corumbaense neste domingo (11).

A primeira foi a Unidos da Major Gama, que homenageou o paulistano radicado na Cidade Branca, José Antônio Garcia, o Tanabi. Personalidade que há mais de quatro décadas contribui para o desenvolvimento e reconhecimento da cultura corumbaense

Vice-campeã do grupo especial no ano passado, a Mocidade Independente da Nova Corumbá foi a segunda a entrar na avenida e apresentou as cores, a vibração, a cultura e a beleza do povo cigano. Com o tema “Optchá, sob um céu de estrelas a sorte da Mocidade”, a escola mostrou a lenda por trás do povo, o misticismo que envolve a mulher cigana e a história da tradição. “Optchá”, na língua cigana significa “Salve”.

A Pesada foi a terceira agremiação a desfilar ontem. A importância da Cidade Dom Bosco e do padre Ernesto Sassida foram exaltadas pela escola. A história do religioso e o legado de sua obra foram mostrados nos carros alegóricos e nas fantasias dos mil componentes. “Cidade Dom Bosco, o Reino do Amor” foi o enredo.

Penúltima a desfilar, a Acadêmicos do Pantanal homenageou a mais antiga escola de samba de Corumbá, a Império do Morro, que completa 60 anos de criação em 2018. Com o enredo “A Pantanal é verde e rosa e celebra 60 páginas de glórias”, a escola cantou na avenida as seis décadas de tradição da Império.

Por fim, quem fechou o primeiro dia de desfile foi a Caprichosos de Corumbá. Com o enredo “Debochar e libertar: A Caprichosos manda para os Quintos a ambição de quem não trabalha ou inventa. O povo não sustenta” a escola tratou, de modo leve e bem humorado, da questão dos impostos, que desde a época do império até os tempos atuais o brasileiro tem de pagar. Abordou ainda os níveis de corrupção no país.

*Com assessoria

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Mãos que falam:
LUIS PEDRO SCALISE

Mãos que falam: "O Leão pode perder os dentes"

'Dou um jeito de fazer acontecer', diz Anitta sobre carreira internacional
FORÇA DE VONTADE

'Dou um jeito de fazer acontecer', diz Anitta sobre carreira internacional

Mãos que falam:
LUIS PEDRO SCALISE

Mãos que falam: "Migalha"

CORREIO B

Roberto Carlos usa camisa rosa e fala de porte de armas antes de show em cruzeiro

Mais Lidas