Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

DO BRASIL

"Boi Neon", filme com Juliano Cazarré, é premiado em Veneza

"Boi Neon", filme com Juliano Cazarré, é premiado em Veneza
12/09/2015 17:55 - G1


 

O filme “Boi Neon”, do brasileiro Gabriel Mascaro, levou o prêmio especial da mostra “Horizontes” da 72ª edição do Festival de Veneza, anunciou neste sábado (12) a organização do júri.

Segunda produção do cineasta pernambucano Mascaro, "Boi neon" é uma trama situada no Nordeste brasileiro sobre o drama particular de um vaqueiro e sua família. Juliano Cazarré, de “A Regra do Jogo”, é o protagonista do longa, que também conta com Vinícius de Oliveira, Maeve Jinkings, Aline Santana e Carlos Pessoa.

O longo era um dos três representantes do Brasil na mostra competitiva, a segunda mais relevante do festival. Ao todo, 33 curtas e longas-metragens estavam na disputa, entre produções de Israel, Irã, Estados Unidos, China e Índia.

"Mate-me por favor" é a estreia da diretora carioca Anita Rocha da Silveira em um longa-metragem. A história mescla mistério, drama e humor. O pano de fundo é uma série de assassinatos que despertam a imaginação de um grupo de jovens. O elenco é composto por Bernardo Marinho, Valentina Herszage, Dora Freind, Julia Roliz e Mariana Oliveira.

O Brasil também era representado pelo filme "Tarântula", curta-metragem do baiano Aly Muritiba e da paranaense Marja Calafange. Em 20 minutos, a produção conta a história de uma família religiosa que mora em um casarão e se vê ameaçada com a chegada de um novo morador à casa. Ana Clara Fischer, Giuly Biancato, Luma Domingues Zanetti, Malu Zanetti Domingues compõem o elenco do curta.

Felpuda


Alguns políticos estão se aproveitando deste momento preocupante de pandemia para sugerir projetos oportunistas que, em alguns casos, são de resultados extremamente duvidosos. O mais interessante – para não dizer outra coisa – é que se for analisado o desempenho normal dessas figuras, verifica-se que essa preocupação toda nunca esteve no topo das suas prioridades. Ano eleitoral é assim mesmo. Lamentável!