JUSTIÇA

Advogado diz que motorista de Cristiano será absolvido

Djalma Pereira Rezende conta que Ronaldo era de total confiança do cantor
12/09/2015 19:00 - Movimento Country


 

O indiciamento pela Polícia Cívil do motorista Ronaldo Miranda pela morte de Cristiano Araújo e Allana Moraes em um acidente de carro, em Goiás, não pegou o advogado Djalma Pereira Rezende de surpresa. Em conversa ele falou sobre o caso: “Esse indiciamento já era esperado. É a opinião de um delegado, mas ainda vai para o Ministério Público. Se o MP achar que tem razões para instaurar uma ação penal, nós vamos enfrentar o julgamento e temos certeza que na Justiça ele será absolvido”, disse.

Segundo o advogado, existem motivos para acreditar na inocência do condutor do veículo. “Não foi ele que colocou as rodas, que apresentavam problemas, no carro. Ele também não era dono do carro e era um funcionário. Ele não tinha autonomia para pedir para o Cristiano botar o cinto de segurança. Além do mais, o patrão estava acordado e vendo tudo que estava acontecendo”, afirmou ele.

Djalma ainda disse que o fato de o motorista estar acima da velocidade permitida – ele estava a 179km/h – não contribuiu para o acidente. “O carro onde eles estavam tinha 11 airbags e era muito mais seguro do que um carro popular, como um Palio ou Gol, a 110km/h. A parte da frente do carro foi a mais afetada e os passageiros, que estavam com cinto, só sofreram escoriações. O acidente foi uma fatalidade e não pode ser debitado a ele a culpa”, defendeu.

O advogado ainda contou que Ronaldo está muito abalado com toda a situação. “Ele está a cada dia mais triste. Não perdeu só um patrão, ele perdeu um amigo. O Ronaldo era de total confiança do Cristiano. Dá para ver isso nos vídeos em que ele aparece. É uma perda lamentável”, afirmou.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".