TRANSPORTE-PESQUISA

82% gostariam de trocar carro por bicicleta ou caminhada, diz pesquisa

82% gostariam de trocar carro por bicicleta ou caminhada, diz pesquisa
29/08/2015 10:35 - Folhapress


 

Morar a 20 minutos a pé ou de bicicleta do trabalho e de um parque, para as horas de lazer. Este é um sonho de muitas pessoas que vivem nas principais capitais do país, de acordo com uma pesquisa sobre mobilidade urbana que será apresentada nesta quarta-feira (26) em São Paulo.

Das mil pessoas que responderam ao questionário, 82% disseram preferir viver em uma cidade compacta, onde o uso do carro seria praticamente desnecessário. As entrevistas foram realizadas nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre e Salvador.

Entre as cidades avaliadas, o Rio de Janeiro, hoje, é o local que mais se aproxima de uma cidade compacta, revelam os dados do trabalho.
Segundo a pesquisa, 24% dos cariocas disseram usar o carro para a maioria dos seus deslocamentos cotidianos, contra 40% dos paulistanos, por exemplo.

Outro dado que chama atenção, segundo José Mello, Superintendente de Pesquisa e Inovação da Liberty Seguros, empresa que está repetindo pelo segundo ano a enquete, é que 52% dos entrevistados abririam mão de até 20% do salário por mais flexibilidade. Ou seja, se eles pudessem trocar o atual emprego por um até 20 minutos a pé da casa deles.

O comércio de rua, indicam os resultados, também está em alta na preferência popular. Na cidade ideal, 55% das pessoas optariam por fazer compras em lojas e mercearias dentro do bairro. 'Para as pessoas, os shoppings e grandes centros comerciais estão mais atrelados ao lazer', diz Mello.

Apesar da pesquisa mostrar também que 81% dos entrevistados preferem se divertir em locais públicos e ao ar livre. Em vez dos pagos e fechados, como os shoppings.
Enquanto os moradores de Salvador são os mais propensos a compartilhar bens, os que vivem em São Paulo são os menos dispostos a fazer o exercício do compartilhamento, segundo a pesquisa.

'Na capital da Bahia as pessoas trabalham muito remotamente, de uma forma autônoma. Talvez isso explique esses números', diz Mello. De acordo com o executivo, em São Paulo, a questão da segurança, por exemplo, pode explicar mais ações individualistas por parte dos habitantes da cidade.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".