33 VAGAS

Prefeitura abre processo seletivo<br> com salários de até R$ 2,6 mil

Inscrições encerram amanhã às 16h
03/09/2019 11:32 - BRUNA AQUINO


 

A Prefeitura de Campo Grande abriu nesta terça-feira (3), as inscrições para processo seletivo com 33 vagas para visitador e supervisor no programa Criança Feliz da Superintendência de Proteção Social Básica da Secretaria Municipal de Assistência Social. Parte do recurso deste processo é oriundo do Governo Federal.

As vagas se dividem em dois cargos, com salários que variam de R$ 1.400,00 à R$ 2.600,00. As inscrições encerram às 16h de amanhã, dia 4 de setembro e podem ser realizadas pelo site

Conforme o edital de seleção, os cargos são para supervisor com três vagas em ampla concorrência e visitador, com 30 vagas, sendo 24 para ampla concorrência e 6 para cotistas. 

Para concorrer a vaga de supervisor, com 40 horas semanais, o profissional precisa ser formado em psicologia e ter Registro no Conselho Regional de Psicologia (CRP). Deve ter experiência de trabalho na política de assistência social e ter experiência profissional na função e supervisor no programa Criança Feliz comprovado. 

Para as vagas de visitador, com também 40 horas semanais, o profissional precisar ter o ensino médio completo e ter habilidades no trabalho com equipes, postura de respeito e valorização às famílias e ter experiência comprovada como visitador no programa Criança Feliz.

O processo seletivo será realizado por meio de prova de títulos com contratação válida para 1 ano podendo ser renovada pelo mesmo período. Para mais informações, acesse o edital

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".