REDE SOCIAL

Facebook: jornalistas poderão se reportar ao vivo

Facebook: jornalistas poderão se reportar ao vivo
11/09/2015 02:00 - band


 

Jornalistas e outras figuras públicas poderão, a partir de agora, compartilhar vídeos ao vivo com seus seguidores no Facebook, que anunciou planos nesta quinta-feira para ampliar o serviço de transmissão.

A partir desta quinta, todo mundo com uma conta verificada no Facebook poderá usar a ferramenta Facebook Mentions, desenvolvida este ano para que atores, músicos e outras celebridades pudessem entrar em contato com seus fãs.


"As pessoas adoram ler artigos e se conectar com seus jornalistas preferidos e figuras públicas no Facebook", anunciou a rede social em seu blog.


"Hoje, estamos tornando o Facebook Mentions disponível para figuras públicas com perfis verificados para torná-los ainda mais próximos de seus seguidores e aumentar sua interação com os colegas".


A ferramenta irá permitir que jornalistas reportem ao vivo a partir dos locais onde ocorrem as notícias e respondam a seus seguidores no Facebook.


Os usuários podem escolher quem poderá ver o vídeo ao vivo.


"Quer você esteja compartilhando texto, links, fotos ou qualquer outra coisa, o Mentions permite escolher a audiência" que verá o conteúdo, segundo o Facebook.


"Por exemplo, você pode compartilhar um post que só seus seguidores verão no feed de notícias".

O Facebook começou a oferecer o serviço em meio à competição com a ferramenta de streaming Periscope, do Twitter, e o aplicativo independente Meerkat, ambos lançados este ano.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".