Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, segunda, 21 de janeiro de 2019

SAFRA 2018/2019

Regime irregular de chuvas foi responsável por perdas na lavoura de soja em MS

Média mensal de precipitação de chuva em 2018 ficou acima da média

14 JAN 2019Por ALINE OLIVEIRA17h:00

O ano de 2018 registrou uma média total de precipitação de chuvas de 1.660 milímetros, índice positivo e acima do número previsto que é 1.422 milímetros.

A informação divulgada pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Agropecuária Oeste), em Dourados, demonstra que não faltou quantidade de chuva, mas sim, regularidade na distribuição. 

A análise foi feita pelo agrometereologista da instituição, Carlos Ricardo Fietz, que relembrou informações importantes para compreensão do chamado "veranico" observados nos meses de novembro e dezembro. 

"O período de chuvas em setembro e outubro foi positivo para agricultura, enquanto que em novembro registrou-se o período mais chuvoso dos últimos 40 anos, em Dourados. No entanto, em dezembro não choveu e as altas temperaturas resultaram na estiagem que castigou as lavouras em algumas regiões do Estado", pontua. 

ANÁLISE TÉCNICA

Conforme o boletim meteorológico da Embrapa Agropecuária Oeste, referente ao mês de dezembro, em Dourados choveu 40% da média histórica prevista para o período. Já em Rio Brilhante foi registrado o maior índice pluviométrico do sul do Estado, enquanto que Ivinhema foi a localidade mais afetada pela estiagem. 

"Na minha experiência profissional aqui em Mato Grosso do Sul posso afirmar que é difícil um ciclo de cultivo de soja terminar, sem a ocorrência do verânico. A justificativa é de que os meses de dezembro e janeiro registram normalmente altas temperaturas, contra um solo com baixa capacidade de armazenamento de água", argumenta Fietz. 

O pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste recomenda que a melhor técnica para evitar prejuízos, ainda é a irrigação nas lavouras.

"Investir em irrigação pode apresentar um custo mais alto, porém, a probabilidade de prejuízo é quase nula. Afinal, não basta registrar grande quantidade de chuvas, se as precipitações acontem irregularmente", conclui.

ESTIMATIVA E PERDAS

Na 2ª quinzena de dezembro, a projeção inicial de colheita para a safra 2018/2018 de soja em Mato Grosso do Sul foi de 10 milhões de toneladas, semeadas em 2, 82 milhões de hectares. 

A informação divulgada pela Associação de Produtores de Soja (Aprosoja/MS)  teve que ser revisada e atualizada na semana passada, em razão da ocorrência de estiagem em algumas localidades do norte e sul do Estado. 

Em algumas propriedades, as perdas variaram de 20% a 80% da lavoura, o que implicará em queda de 11% na produção apontada inicialmente.

Além disso, a produtividade pode ser impactada, mas, em razão da retomada de chuvas nas últimas semanas, existe uma expectativa de que a produtividade mantenha a média de pelo menos, 50 sacas por hectare. 

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também