Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ESTIAGEM

Próximas chuvas nao recuperam perdas da soja na safra do Brasil

29 DEZ 18 - 14h:32Notícias Agrícolas

A nova safra de soja do Brasil continua sofrendo com as condições de clima em diversas áreas produtoras do país em função das adversidades climáticas. As elevadas temperaturas e a falta de chuvas continuam a castigar as lavouras e diminuir seu potencial produtivo a cada dia em que o cenário se mantém dessa forma. E onde as chuvas chegaram, foram limitadas e insuficientes para promover uma mudança significativa. 

Além disso, há uma grande parte da área semeada com soja no Brasil em que as perdas já são irreversíveis. E assim, consultorias privadas já começam a reduzir suas estimativas para a temporada 2018/19.

E de acordo com as últimas previsões, o Matopiba e o Sul do Brasil deverão ter um novo período de tempo seco entre o final de dezembro e o início de janeiro, após algumas chuvas que chegaram a estas regiões nos últimos dias.

De acordo com o mapa do centro de previsão da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA, na sigla em inglês), entre os dias 27 de dezembro e 04 de janeiro, menos chuvas acumuladas serão registradas na maior parte da região Sul do país.

Nesse mesmo intervalo, de acordo com o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), os maiores volumes de chuvas deverão se concentrar na faixa Centro-Norte do Brasil. 

“O Centro-Norte do país vai se manter instável. Eu acredito que a Zona de Convergência do Atlântico Sul deve se formar e voltar a atuar e, com isso, essa chuva deverá ser estendida”, disse o meteorologista do Inmet, Mamedes Luiz Melo.e janeiro 

De acordo com o analista de mercado Marcos Araújo, da Agrinvest Commodities, o novo número para a safra brasileira é de 113,18 milhões de toneladas, sendo 50,63 milhões no Centro-Oeste; 36,59 milhões no Sul; 9,07 milhões no Sudeste; 10,73 milhões no Nordeste e 6,16 millhões de toneladas na região Norte. 

Até este momento, Araújo estima que as perdas mais severas tenham acontecido no Paraná, com 14%, Mato Grosso do Sul, com 13%, Rio Grande do Sul, com 7% e Mato Grosso com 5%. 

“Há várias microrregiões com perdas irreversíveis. Houve a maturação fisiológica forçada, com grãos pequenos e esverdeados”, diz o analista.

Há uma semana, o Notícias Agrícolas trouxe relatos de produtores de várias regiões onde as colheitas já vinham sendo adiantadas de 20 a 30 dias por conta do tempo extremamente quente e seco, na tentativa de perder ainda mais deixando suas lavouras no campo. 

Os relatos chegam de todas as partes. Há áreas sendo colhidas em Toledo, no Paraná, em que a produtividade chega a apenas 40 sacas por hectare, número bem baixo para as médias da região.

Ao mesmo tempo, no Sul do Maranhão não chove há mais de 20 dias e o potencial vai sendo diariamente reduzido. E como explicam analistas e consultores, a safra brasileira só não será menor porque o aumento de área foi considerável nesta nova temporada. Há números mostrando até 36,6 milhões de hectares, um aumento de 4,13% em relação à safra 2017/18.

“Me parece que temos uma quebra já consolidada de pelo menos 5%”, diz o analista. Ainda segundo explica o executivo, parte dessas perdas acabam refletindo a antecipação do plantio observada neste ano. “Muitos produtores, na expectativa de fazer o plantio do milho safrinha no cedo, colocam em risco antecipado o plantio da soja. As próximas chuvas vão ajudar as lavouras que foram plantadas dentro da época normal, com ciclo médio e tardio. Essas podem se recuperar”, completa. 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Chineses devem abrir quatro usinas de açúcar no Brasil
AGRONEGÓCIO

Chineses devem abrir quatro usinas de açúcar no Brasil

Confira o calendário de vacinação contra a Febre Aftosa em MS
AGROPECUÁRIA

Confira o calendário de vacinação contra a Febre Aftosa em MS

Nova etapa de vacinação contra febre aftosa começa em novembro
ATENÇÃO!

Vacinação contra febre aftosa começa em novembro

Safra de grãos deve crescer 6,3% e fechar com recorde em 2019
CORREIO RURAL

Safra de grãos deve crescer 6,3% e fechar com recorde em 2019

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião