Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

AGRONEGÓCIOS

Protagonista de crise, Irã importou US$ 140 milhões em carne e grãos de MS

General iraniano foi morto em ação militar americana na semana passada, abrindo uma crise diplomática

7 JAN 20 - 17h:04ADRIEL MATTOS

No meio de uma crise diplomática com os Estados Unidos, o Irã foi um dos principais compradores de carne e grãos de Mato Grosso do Sul em 2019. Segundo dados do Ministério da Economia, compilados pela Federação de Agricultura e Pecuária do estado (Famasul) no boletim Casa Rural, o país do Oriente Médio importou US$ 140 milhões em carne e grãos do Estado.

De janeiro a novembro do ano passado, os iranianos compraram US$ 45,9 milhões de carne bovina in natura, o que representa 12,9 toneladas. O preço médio por quilo foi de US$ 3,49, 7,22% da receita total do agronegócio sul-mato-grossense. 

Em soja, o país adquiriu 34,3 toneladas por US$ 11,9 bilhões, o que representa 1,11% da receita total. Mas é o milho um dos produtos que o Irã mais comprou ao longo de 2019.

Por US$ 84,7 milhões, foram exportados para o país 454,4 toneladas do grão, colocando o Irã como segundo maior comprador de milho sul-mato-grossense, atrás apenas do Japão. A aquisição do país do Oriente Médio representou 20,89% da receita total.

SITUAÇÃO

Na semana passada, o general Qassem Soleimani, um comandante de alto escalão da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã foi morto em um ataque aéreo realizado pelos Estados Unidos em Bagdá, capital do Iraque. O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, sugeriu medidas retaliatórias contra os Estados Unidos.

O Departamento de Defesa dos EUA divulgou uma declaração na quinta-feira (2) informando que "sob o comando do presidente, as forças armadas dos EUA agiram defensivamente de forma decisiva, matando Qassem Soleimani para proteger os indivíduos americanos no exterior".

No dia seguinte, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, declarou que não iria comentar a ação. Porém, o Ministério das Relações Exteriores emitiu ainda na sexta-feira (3) nota que o governo brasileiro ao tomar conhecimento das ações conduzidas pelos Estados Unidos no Iraque manifesta seu apoio "à luta contra o flagelo do terrorismo". A nota diz ainda que o país está "pronto a participar de esforços internacionais que contribuam para evitar uma escalada de conflitos neste momento."

Nesta terça-feira (7), o Ministério das Relações Exteriores do Irã convocou os representantes diplomáticos brasileiros em Teerã a comparecerem à chancelaria iraniana para explicar o teor da nota divulgada pelo Palácio do Itamaraty. Para amenizar a situação, Bolsonaro disse ontem que o Brasil pretende manter as relações comerciais com o Irã e afirmou que repudia o terrorismo. "Nós repudiamos o terrorismo em qualquer lugar do mundo e ponto final. Temos comércio com o Irã e vamos continuar esse comércio", disse, ao deixar o Palácio da Alvorada.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Estado tem 19 usinas de biocombustível
AGRONEGÓCIOS

Com 19 usinas, produção de biocombustível avança

Projeto auxilia na criação de hortas familiares em Campo Grande
HORTA URBANA

Projeto auxilia na criação
de hortas familiares
em Campo Grande

Colheita de maçã emprega 5 mil indígenas do Estado
GUARANI-KAIOWÁS

Colheita de maçã emprega 5 mil indígenas do Estado

Inscrições para curso técnico em agronegócio seguem até dia 22
FORMAÇÃO

Inscrições para curso técnico em agronegócio seguem até dia 22

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião