Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CORREIO RURAL

Produtor rural espera chuva para <br>semear soja em Mato Grosso do Sul

Previsão dos técnicos é de que oleaginosa ocupe área 3% maior nesta safra de verão, no Estado
18/09/2017 08:06 - Rosana Siqueira


 

Com previsão de ocupar 2,59 milhões de hectares neste ano, o plantio da soja está sendo lançado oficialmente hoje, em Ponta Porã, que é a segunda maior cidade produtora do grão no Estado. O evento é uma iniciativa da Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul (Aprosoja/MS) e ocorre na Fazenda Jotabasso. No entanto, apesar do lançamento oficial, sem indício de chuvas, os produtores rurais apenas fazem o preparo da terra e esperam melhora no clima para iniciar a semeadura da oleaginosa.

A previsão é de que a área seja ampliada em 3% para o ciclo 2017/2018. Neste ano, a soja teve produção de 8,5 milhões de toneladas, em uma área cultivada de 2,52 milhões de hectares, de acordo com informações da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A produção do grão teve crescimento de 18,4% diante da safra anterior, de 7,2 milhões de toneladas. Já a produtividade da soja avançou 14,1%, passando de 2.980 kg/ha para 3.400 kg/ha.

Espera
Para o analista da Granos Corretora Jorge Filho, a safra começa com atraso diante da seca no Estado. “Nenhum produtor planta no pó e, por isso, [eles] vão esperar a chuva para iniciar a semeadura. Ou seja, a safra já começou atrasada” adiantou.

Reportagem completa está na edição de hoje do Correio Rural. Clique aqui para conferir.

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?