PECUÁRIA

Pequenos frigoríficos terão<br> incentivo do governo federal

Ministério da Agricultura iniciou um levantamento de plantas fechadas
05/06/2017 06:30 - DA REDAÇÃO


 

Depois de mais um escândalo envolvendo a companhia JBS, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, saiu em defesa dos pequenos frigoríficos.

De acordo com Maggi, o Mapa deu início a um levantamento para identificar quantas e onde estão as plantas fechadas em todo o País e, com base nesses dados, tentar estimular outros grupos a entrarem no mercado.

No seminário “A Força do Campo”, realizado em Cuiabá (MT), na semana passada, o ministro anunciou que busca alternativas para “tentar convencer” bancos oficiais como o próprio Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para financiar novos players. 

Conforme ele, o comportamento do banco em relação à companhia dos irmãos Wesley e Joesley Batista ajudou a gerar essa concentração do mercado nas mãos do grupo e o desaparecimento de outras empresas. 

Segundo investigações da operação Lava Jato, de 2007 a 2011, o BNDES desembolsou R$ 8,1 bilhões para a JBS.

O prejuízo estimado para o banco é de R$ 1,2 bilhão, aproximadamente. “Foi um erro do passado, quando o BNDES praticamente deu dinheiro para extinguir com os pequenos em detrimento de um ou dois grandes. Foi um erro e estamos pagando um preço gigante por ele agora”, disparou.

O grupo é responsável pelas sete maiores plantas frigoríficas, das 30 existentes no Estado, e corresponde a quase 50% da capacidade de abates.

No primeiro quadrimestre do ano, o Estado havia abatido 1,012 milhão de cabeças. Deste total, 443,422 mil foram abatidos nas unidades do grupo.Esse volume era ainda maior, mas em fevereiro deste ano a JBS fechou a planta de Coxim.

*Leia reportagem, de Renata Prandini, na edição de hoje do suplemento Correio Rural.

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".