Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

CORREIO RURAL

Ovinocultura pode crescer ainda mais em Mato Grosso do Sul

Demanda por animais é maior que a oferta e existe espaço para ampliar produção

4 MAR 19 - 16h:31ROSANA SIQUEIRA

Mesmo tendo registrado aumento de mais de 200% nos últimos anos nos abates de animais, e rebanho de 350 mil cabeças, a ovinocultura estadual ainda tem muito espaço para crescer em Mato Grosso do Sul. É que a carne de ovinos tem apresentado uma maior aceitação no mercado consumidor. A prova disso é que, com uma demanda maior que a oferta, os preços do setor têm apresentado valorização no Estado. O mercado é comprador e bem diversificado. “Temos os compradores de animais gordos para abate e pessoas que compram animais magros para engorda e posterior abate. Além disso, temos demanda tanto para animais jovens, os mais procurados por mercados mais exigentes, quanto por adultos, que se destinam à produção de carne processada”,  afirma o médico-veterinário Custódio Junior, técnico de campo do programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) em MS.

A avaliação de Custódio é validada pelos números do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), que mostram uma valorização de aproximadamente 1% em janeiro deste ano quando comparado a dezembro, com o quilo vivo do cordeiro cotado a uma média de R$ 7,80 – este é um período, historicamente, de preços em baixa.

Entre as praças pesquisadas pela instituição, apenas MS e Ceará registraram valorização no comparativo, e o valor local está abaixo apenas da cotação de São Paulo. “Uma análise histórica, avaliando as cotações desde 2011, aponta para um crescimento anual de 7 a 9 pontos porcentuais”, destaca Custódio.

Para o coordenador do departamento de ATeG do Senar-MS, Francisco Paredes, o principal desafio do setor é suprir a demanda nacional da carne. “Importamos cerca de 10% da carne consumida no mercado brasileiro”, reforça.

Paredes explica que o produtor rural precisa se organizar para comercializar de forma mais efetiva e, assim, obter lucratividade. “Há dificuldades como formação de carga para viabilizar o transporte dos animais até o abatedouro e desconhecimento do produtor do perfil do animal que o frigorífico busca para atender à crescente demanda do mercado interno”.

O relatório Agromensal do Cepea aponta que, em 2019, a ovinocultura brasileira pode ser beneficiada pelo crescimento econômico esperado para o País. Mesmo que as principais carnes demandadas pelos brasileiros continuem sendo a bovina, a suína e a de frango, o crescimento da renda possibilita aos consumidores o acesso a produtos de maior valor agregado, como é o caso da carne ovina.

Segundo projeções da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), neste ano a produção da proteína no Brasil deve atingir 121,4 mil toneladas, avanço de 0,76% em relação ao volume este ano, de 120,5 mil toneladas. A FAO estima,ainda, que o consumo brasileiro totalize 127,4 mil t este ano, o equivalente a 530 gramas per capita.

Sanidade

A Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro) publicou, no fim do ano passado, portaria com as novas regras para declaração do quantitativo de caprinos e ovinos em MS. 
A declaração do rebanho é obrigatória e realizada diretamente pelo site da Iagro, com a declaração da movimentação dos animais na ficha sanitária no sistema e-Saniagro, a apresentação da e-GTA e da comunicação de nascimentos.

Para regularizar o rebanho, o produtor preenche uma declaração referente ao saldo de caprinos e ovinos existente na propriedade e a agência providencia o ajuste do saldo. Dessa forma, o produtor fica oficialmente regularizado na instituição.

A regularização por ajuste de saldo deve ser realizada diretamente nas unidades locais da Iagro, nos municípios de referência da propriedade. A portaria também estabelece índices de referência de natalidade e de mortalidade do rebanho.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Safrinha será a vedete <br>da produção em MS
PESQUISA CONAB

Safrinha será a vedete
da produção em MS

Produtores já venderam 42% da safra de soja; mercado externo preocupa
AGRICULTURA

Produtores já venderam
42% da safra de soja

Moagem da cana atinge 47 milhões de toneladas em MS
SAFRA 2018/2019

Moagem da cana atinge 47 milhões de toneladas em MS

Mapa renova documentos para pesca artesanal até dezembro
ATIVIDADE PESQUEIRA

Mapa renova documentos para pesca artesanal até dezembro

Mais Lidas