Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sábado, 19 de janeiro de 2019

PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL

Ministra exalta modelo de legislação ambiental brasileira

Representante de MS destaca performance produção versus preservação

2 JAN 2019Por ALINE OLIVEIRA17h:32

A titular do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Tereza Cristina, acredita que apesar das acusações feitas ao agronegócio brasileiro, o país tem acompanhado a expansão da produção em razão do desenvolvimento tecnológico aprimorado de forma cada vez mais eficiente. 

Além disso, lembra que as condições favoráveis do solo e clima provocam temores aos concorrentes do mercado internacional e acusações infundadas de organizações internacionais estabelecidas no território nacional. 

"São relevantes as questões relacionadas ao clima, sustentabilidade e biodiversidade, entretanto, a discussão honesta deveria partir de uma premissa básica: o Brasil é um país com legislação ambiental extremamente avançada e que mais soube preservar suas florestas nativas e matas ciliares. Nosso país é um modelo a ser seguido; jamais um transgressor a ser recriminado", argumenta.

Na visão da parlamentar, outros desafios que também preocupam o governo são as barreiras internacionais impostas à produção nacional, através de critérios tarifários ou sanitários duvidosos.

"Em um país  com dimensões continentais, infraestrutura e logística  eficiente são essenciais para que, os ganhos obtidos na produção não sejam desperdiçados em operações de transporte dos produtos. Igualmente essencial é que o crédito para produção e o respectivo seguro estejam disponíveis a custos razoáveis e de maneira ágil e eficaz", exemplifica. 

DESTAQUE INTERNACIONAL

Tereza Cristina recorda a participação brasileira na 24ª Conferência do Clima da ONU (COP24), na qual o Brasil se destacou ao apresentar os números registrados no Cadastro Ambiental Rural (CAR): 466 milhões de hectares registrados em fevereiro de 2018. "É uma base espetacular que permite o monitoramento e o eventual combate ao desmatamento em 5,4 milhões de propriedades rurais", aponta. 

Na avaliação da titular do Mapa, o agronegócio brasileiro está preparado para negociar com outros países, nas áreas de propriedade intelectual, indicações geográficas, recursos genéticos, rotulagem, bem-estar animal, produção orgânica e questões trabalhistas sociais. 

"É importante destacar que o Brasil disputa a condição de 2º maior exportador de alimentos do mundo, com maiores perspectivas de expansão entre todas as nações. A FAO estima que o planeta necessitará ampliar a oferta de alimentos em cerca de 60% até 2050, por isso, nosso papel é fundamental nesse desafio", acrescenta. 

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também