Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

audiência

Maior assentamento de MS discute
efeito do agrotóxico na produção

No Nova Itamarati, técnicos da Agraer e integrantes do MPF abordam tema

8 JUN 17 - 17h:18RODOLFO CÉSAR

Produtores de um dos maiores assentamentos do país, o Nova Itamarati, que hoje já é distrito de Ponta Porã, discutem os efeitos do uso de agrotóxicos nas propriedades locais. 

Com 25 mil hectares e uma população aproximada de 13,7 mil pessoas, os moradores do assentamento analisam os impactos no meio ambiente e como os produtos químicos podem causar danos à saúde do ser humano.

No assentamento há criação de gado, ovelhas, produção de leite, plantação de frutas e verduras como acerola, laranja, mandioca, feijão, milho e amendoim. São cerca de 60 áreas coletivas em um total de 120 hectares.

Audiência pública para analisar o uso dos agrotóxicos começou na tarde de hoje no Salão Paroquial do Distrito. "A audiência pública será uma oportunidade para discutirmos com a comunidade e os técnicos temas de grande importância, uma vez que o desenvolvimento do nosso município, em especial nas áreas rurais, passa pelo respeito ao meio ambiente", disse o presidente da Câmara de Ponta Porã, Otaviano Cardoso.

A Casa de Leis foi quem organizou o evento junto com a Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer). Representantes do Ministério Público Federal e da Defensoria do Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul também participam do encontro para tratar de questões jurídicas e o que já houve de judicialização com relação ao uso de agrotóxicos.

A Câmara Municipal deve elaborar encaminhamentos para outras autoridades depois de encerrada as discussões.

CIDADES JÁ IMPACTADAS

Em 2015, estudo mostrou que as populações de Dourados, Chapadão do Sul, Maracaju, Bandeirantes e São Gabriel do Oeste são as que mais sofrem com agrotóxicos no Estado. 

A pesquisa Os Impactos dos Agrotóxicos na Sociedade Saúde, Trabalho e Meio Ambiente foi apresentada durante seminário na Assembleia Legislativa.

“Dourados é grande produtor de algodão com 24 a 30 litros de agrotóxicos por hectare isso está mergulhado dentro da plantação. Chapadão do Sul, São Gabriel do Oeste, Bandeirantes e Maracaju também estão mergulhados. Todos os córregos e todas as nascentes (dessas localidades) vão levar a água que para o Pantanal”, apontou o pesquisador Doutor Wanderlei Antonio Pignati, da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), na época.

Laboratório está sendo construído em Dourados para monitorar a quantidade de agrotóxico em três bacias hidrográficas (Ivinhema, Dourados e Amambai). Essas regiões têm plantações de soja, milho e cana-de-açúcar.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Morre Rubens Catenacci, Embaixador da Carne de Qualidade de MS
NOTA DE PESAR

Morre Rubens Catenacci, Embaixador da Carne de Qualidade de MS

Conselho de agrotóxicos elabora plano para controle de pragas em MS
CORREIO RURAL

Conselho de agrotóxicos elabora plano para controle de pragas em MS

Cana-de-açúcar processada cresce 5,4% e soma 49,5 milhões de toneladas
SAFRA 2018/2019

Produção de cana soma 49,5 milhões de toneladas

Produtores do Estado buscaram R$ 9,2 bilhões em crédito rural
DINHEIRO NO CAMPO

Produtores do Estado buscaram R$ 9,2 bilhões em crédito rural

Mais Lidas