Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sábado, 19 de janeiro de 2019

SOJA 2018/19

Instabilidade climática eleva perdas nas lavouras de soja em até 80%

Situação é pior em municípios que investiram no cultivo recentemente

27 DEZ 2018Por ALINE OLIVEIRA17h:30

A estimativa dos agricultores de produzir 10 milhões de toneladas de soja, na safra 2018/19, pode ser comprometida se a instabilidade climática de Mato Grosso do Sul continuar.

Há 20 dias algumas localidades na região sul registraram perdas pontuais em alguns municípios, porém, as chuvas recentes devolveram o equilíbrio necessário para o desenvolvimento das lavouras.

Entretanto, na região norte, o cenário de perdas varia de acordo com a localidade e experiência no manejo da cultura. É o que explica, o empresário rural, Júlio César Bortolini, dono de propriedade rural e sojicultor em São Gabriel do Oeste. 

"A situação por aqui apresenta duas situações: nos municipios de Rio Verde, Bandeirantes e Camapuã, algumas propriedades perderam quase toda a lavoura e já estão se planejando para o plantio de milho safrinha. Em contrapartida, em São Gabriel do Oeste, os agricultores contam com uma área mais estruturada e em razão da expertize no manejo devem chegar a no máximo, 20% de perdas", avalia. 

REGIÃO SUL

O engenheiro agrônomo, Angelo Ximenez, se dedica a agricultura no município de Dourados e no atual ciclo plantou 600 hectares da oleaginosa. Ele confirma que a situação melhorou consideravelmente em relação ao que foi identificado há pouco mais de um mês. 

"As chuvas das últimas semanas devolveram as condições ideais para o desenvolvimento da soja e por aqui, acredito que as perdas não devem passar de 15%. A situação também pode variar em talhões de uma mesma propriedade, então não podemos nivelar o percentual para toda uma região", argumenta. 

ATUALIZAÇÕES NACIONAIS

O Instituto Nacional de Meterorologia (Inmet) divulgou no início da semana (24 de dezembro) a previsão de que os maiores volumes de chuva deverão se concentrar na faixa Centro-Norte do Brasil, porém, a zona de convergência do Atlântico Sul deve se formar e voltar a atuar, ampliando o alcance das precipitações. 

Durante entrevista concedida ao site Notícias Agrícolas, o analista de mercado da Agrinvest Commodities, Marcos Araújo, atualizou a previsão de colheita para todas regiões brasileiras: o novo número para a safra brasileira é de 113,18 milhões de toneladas, sendo 50,63 milhões no Centro-Oeste; 36,59 milhões no Sul; 9,07 milhões no Sudeste; 10,73 milhões no Nordeste e 6,16 millhões de toneladas na região Norte. 

Além disso, o especialista confirma que as perdas mais severas aconteceram no Paraná com com 14%, Mato Grosso do Sul, com 13%, Rio Grande do Sul, com 7% e Mato Grosso com 5%. "Há várias microrregiões com perdas irreversíveis. Houve a maturação fisiológica forçada, com grãos pequenos e esverdeados", conclui Araújo.

*Com colaboração do site Notícias Agrícolas

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também