NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

Índia vai importar 20 mil doses <br>de sêmen de zebu do Brasil

Essa será a segunda exportação para o país, feita pela ABS
10/07/2017 17:17 - Istoé


O Brasil vai exportar 20 mil doses de sêmen de zebu para a Índia, o país berço do animal. Essa será a segunda exportação para o país, feita pela ABS, única empresa apta no Brasil para o processo.

O material genético a ser exportado é de dois touros diferentes da raça Gir Leiteiros. O envio será feito em duas etapas. O primeiro lote, com 12 mil doses, chegará ao destino em agosto. O segundo lote ainda não tem data definida para envio.

Segundo a empresa, a Índia tem um volume de inseminações cerca de dez vezes maior que o do Brasil, atingindo mais de 120 milhões de doses por ano. O país representa a abertura de um “mercado fantástico, muito promissor para a genética zebuína de nosso país”, diz em nota a ABS.

A primeira exportação de sêmen feita pelo Brasil para a Índia, depois de cinco anos de negociações, foi realizada em 2015, quando foram enviadas mil doses de sêmen de dois touros.

De acordo com a Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ), as exportações de sêmen bovino tanto para corte quanto para leite cresceram 33,1% em 2016 em relação a 2015, totalizando 296,4 mil doses.

Os países que mais importaram a genética de corte foram Paraguai, Bolívia e Argentina. As exportações de corte atingiram quase 135 mil doses, representando um crescimento de 30% em relação a 2015.

Já a exportação de sêmen das raças leiteiras brasileiras cresceu 36%, atingindo a marca de 162 mil doses. Os principais importadores foram Colômbia, Costa Rica e Equador.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".