ALGODÃO EM ALTA

Exportações nacionais crescem 60% em relação a safra passada

Embarque será de 1,5 milhão de toneladas
15/07/2019 16:46 - ALINE OLIVEIRA


 

As exportações de algodão no Brasil devem atingir um recorde na safra 2018/2019, aponta a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), nesta segunda-feira (15). O aumento nos embarques deve chegar a 60%, ou 1,5 milhão de toneladas. 

Somando pluma e caroço, espera-se uma produção estimada em 6 milhões de toneladas, contra 5 milhões colhidos no período anterior. 

Considerando apenas a pluma, a produção pode chegar a 2,6 milhões de toneladas, enquanto o caroço chegará a 4 milhões . Os resultados são decorrentes do ciclo passado, quando a matéria-prima alcançou rentabilidade expressiva. 

Apesar do custo de produção ter aumentado, em razão da alta tecnologia empregada no cultivo, o algodão apresenta um retorno de cerca 38,7% sobre o investimento no plantio da pluma, segundo os dados do boletim de safras da Conab divulgado no início deste ano.

CENÁRIO REGIONAL

Mato Grosso do Sul é um dos cinco maiores produtores nacionais de algodão, ficando atrás somente do Mato Grosso (1º colocado) e Bahia (2º colocado), os quais somam juntos 80% da produção nacional. 

Conforme informado pela Associação Sul-Mato-Grossense dos Produtores de Algodão (Ampasul), na última safra os produtores sul-mato-grossenses registraram uma das melhores produtividades do país, com 325 arrobas colhidas por hectare. 

Este ano, o aumento da área plantada foi de 25%, o que deve resultar em colheita de 71 mil toneladas de algodão em pluma e, pelo menos, 160 mil toneladas do caroço.

*Com informações Ascom Conab

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".