Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SOJA 2018/2019

Bodoquena e Miranda solicitam prorrogação para semeadura de soja

Pedido decorre da estiagem atípica que atingiu várias regiões do Estado
28/12/2018 17:48 - ALINE OLIVEIRA


 

Nesta sexta-feira (28), o governo do Estado, por meio da Secretaria Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), publicou uma resolução no Diário Oficial do Estado, autorizando em caráter excepcional, a prorrogação do período de semeadura das lavouras de soja, nos municípios de Bodoquena e Miranda.

O pedido  foi solicitado pelo presidente do Sindicato Rural dos dois municípios, Massao Ohata, pedindo a ampliação do plantio para 15 de janeiro de 2019.

Há menos de um mês, o plantio da safra 2018/2019 foi encerrado no Estado, contudo picos de estiagem atípicos para o período, resultaram em perdas de lavouras que chegaram a 80%, em algumas regiões.

Seguindo a orientação do presidente da Federação de Agricultura e Pecuária do Estado (Famasul), Mauricio Saito, o Sindicato Rural encaminhou ao secretário da Semagro, Jaime Verruck, o pedido de extensão do prazo para plantio da soja considerando a escassez de chuvas que impediu que os produtores pudessem concluir a semeadura no prazo regular, que seria 31 de dezembro de 2018.

Segundo Jaime Verruck, o Governo do Estado atendeu de pronto a solicitação por entender que os produtores já adquiriram os insumos para o plantio do grão e a não prorrogação poderia acarretar grandes prejuízos a todos.

“As chuvas no mês de dezembro não foram expressivas e aquela região sofreu com esse déficit hídrico. Acreditamos que mais quinze dias devem ser suficientes para que todos consigam concluir o plantio”, finaliza.

*Com informações da Assessoria da Semagro

 

Felpuda


Paixão política que extrapola o bom senso, chega nas redes sociais e se transforma em baixaria pode resultar em prejuízo no bolso. Isso foi o que aconteceu com autor de texto nada elogioso contra colega por diferenças em apoio a candidatos nas eleições de 2016. O dito-cujo foi condenado a pagar indenização de R$ 7 mil, com correção monetária e juros mensais a partir da publicação da sentença, além dos honorários advocatícios. Detalhe: os adversários daquela época hoje andam de braços dados. Pode?