Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ATÉ 2020

Avicultores de MS terão que construir sala sanitária nos estabelecimentos

Avicultores de MS terão que construir sala sanitária nos estabelecimentos
31/12/2018 09:46 - Rosana Siqueira


 

Os avicultores de Mato Grosso do Sul terão até 1º de janeiro de 2020 para construir sala sanitária nos estabelecimentos avícolas.

A medida é exigida no Decreto 13.064 que trata dos atos de registro, controle, fiscalização, inspeção ou vistoria de estabelecimentos e outros bens relacionados a aves comerciais em Mato Grosso do Sul, e foi prorrogada através de uma publicação feita hoje no Diário Oficial do Estado (DOE), de sexta-feira (28).

O decreto que determina que os estabelecimentos avícolas de Mato Grosso do Sul construam uma sala sanitária para banho e a troca de roupas e calçados na entrada do núcleo visa manter a excelência da sanidade avícola do Estado e o cumprimento das exigências do Ministério da Agricultura (Mapa).

Mesmo entendendo que a exigência do Mapa não é explícita quanto à necessidade da ‘construção’ de uma sala, já que a normativa fala apenas em ‘troca de roupas e calçados na entrada do núcleo’, em discussão com representantes do setor, entendeu-se que, o cumprimento se daria com maior efetividade com a obra completa.

Segundo Jaime Verruck, titular da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), a flexibilização do prazo não oferece riscos à sanidade avícola de MS, que é considerado atualmente, modelo para o País. “Somos pioneiros em diversas ações e precursores na organização de pautas nacionais”, completou.

O entendimento para prorrogação do prazo se deu em consenso com o setor, mas segundo Jaime Verruck é importante que seja observado que o não cumprimento da medida, dentro do prazo, pode ocasionar no cancelamento do registro do estabelecimento.

“O que tem balizado nossas ações e garantido destaque para o trabalho de sanidade realizado pela nossa agência é, sem dúvida, a boa relação mantida entre o Governo do Estado e o setor produtivo”, conclui. (com assessoria)

Felpuda


Paixão política que extrapola o bom senso, chega nas redes sociais e se transforma em baixaria pode resultar em prejuízo no bolso. Isso foi o que aconteceu com autor de texto nada elogioso contra colega por diferenças em apoio a candidatos nas eleições de 2016. O dito-cujo foi condenado a pagar indenização de R$ 7 mil, com correção monetária e juros mensais a partir da publicação da sentença, além dos honorários advocatícios. Detalhe: os adversários daquela época hoje andam de braços dados. Pode?