Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sábado, 19 de janeiro de 2019

SAFRA 2018/2019

Aumenta em 19% área utilizada no
plantio de algodão

Projeção de colheita é de 11 milhões de fardos e 2,4 milhões de toneladas

24 DEZ 2018Por ALINE OLIVEIRA18h:20

O relatório divulgado no início de dezembro pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), apontou que a área destinada ao plantio de algodão no Brasil cresceu 19% no ciclo 2018/19. O principal motivo para o aumento, justificou o documento, foi a elevação dos preços e a alta demanda de exportação. 

“Os preços do algodão, em particular os preços de exportação FOB, são o principal fator por trás da decisão dos produtores de acelerar a expansão da área de plantio de algodão. O rendimento está previsto para permanecer um pouco acima de 1700 kg por hectare (kg / ha). Como tal, a produção total deverá aumentar em 19 por cento, para 11 milhões de fardos, o equivalente a 2,4 milhões de toneladas”, diz o texto. 

Nesse cenário, o relatório explica que a cultura do algodão no Brasil é planejada em pelo menos um ano e até dois anos, com base na demanda projetada e até certo ponto nas vendas futuras. 

“Por exemplo, segundo estatísticas do governo brasileiro, no estado de Mato Grosso, quase 70% da safra de algodão de 2018/2019 já está sob contrato apesar do fato de que a maior parte do plantio de algodão não terá início em janeiro de 2019”, explica o USDA. 

“Além da expectativa de demanda futura, os produtores confiam nos retornos de cada safra para reinvestir na próxima safra. O custo de produção do algodão por hectare no Mato Grosso é cerca de três vezes maior que o da soja. Devido ao alto investimento inicial, sem bons retornos que são fortemente baseados no desempenho das exportações, muitos produtores simplesmente não têm meios para investir tanto na safra seguinte”, completa.

*Com informações do site Agrolink

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também