Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

AGRICULTURA FAMILIAR

Após um mês de lançamento, projeto de hortas urbanas já comercializa produção

Projeto prevê a implantação de 200 hortas na Capital até 2020
10/11/2019 15:32 - SÚZAN BENITES


Um mês após o lançamento do projeto de Hortas Urbanas produtores já começam a comercializar produção em Campo Grande. A proposta prevê a implantação de 200 hortas urbanas em Campo Grande até o final de 2020.

O projeto é uma parceria entre o Governo do Estado e Prefeitura Municipal com recurso federal e prevê o fortalecimento das 80 plantações já espalhadas pela cidade atualmente, a implantação de outras 40 até o final deste ano, e outras 100 hortas no próximo ano.

O objetivo é fomentar a agricultura familiar, gerar renda aos pequenos produtores e melhorar os hábitos de consumo das comunidades carentes da Capital, e já começa a apresentar os primeiros resultados. “Já estamos vendendo, alface de duas qualidades, crespa e lisa, couve, rúcula, cebolinha e salsa. Logo teremos repolho, berinjela e tomate”. Descreve com orgulho, Rosângela Maria dos Santos, sobre as hortaliças que já estão sendo comercializadas da horta onde ela e outras três famílias se dedicam diariamente a cuidar dos canteiros.

Rosa, como é conhecida na região do Jardim Centenário onde mora há 24 anos, se orgulha em dar continuidade a horta deixada pelo pai já falecido, e afirma que o suporte técnico e os insumos fornecidos pela Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer) e Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedesc), foram fundamentais nesse processo.

“Para nós isso é muito importante. Sem esse apoio, nós sozinhos não conseguiríamos. Quando veio esse desafio, eu chamei a minha família. Colocamos a mão na massa. Até agora 0% de despesa, apenas o trabalho. A gente já está produzindo, vendendo e tendo uma renda. Estou aprendendo. Pois o primeiro pé de alface que eu arranquei foi um desastre, espatifou tudo. Agora já aprendi tirar com a raiz” conta.

VISITANTES

Na última quinta-feira (7) o secretário especial do Governo do Estado, Carlos Alberto de Assis, a primeira dama do Estado e madrinha do projeto Hortas Urbanas, Fátima Azambuja, acompanhados de técnicos da Agraer e Sedesc, estiveram na Rua Jardim Bonito, n° 104, para uma visita após o primeiro mês de atuação da família no projeto.

O secretário especial disse que é gratificante ver o desenvolvimento das pessoas e da horta em tão pouco tempo. "E não só isso, ver a alegria dessas famílias que tiram daqui alimento de qualidade, e podem comercializar para quem mora nas proximidades. É isso que vale a pena”, afirmou Carlos Alberto de Assis .

A primeira dama do Estado elencou a importância de Estado estar presente nos bairros capacitando as famílias e estimulando o empreendedorismo. “Com apenas 35 dias a horta já produzindo. A Rosa não está dando conta dos pedidos. É bonito de ver as pessoas saindo, comprando levando a verdura fresquinha, e o entusiasmo e alegria de todos que trabalham aqui, é um exemplo a ser seguido. É um prazer muito grande, e muito lindo ver o envolvimento das pessoas no projeto, e o quanto isso faz um bem para a cabeça, para a alma e economicamente, pois ajuda na renda familiar”, destacou Fátima Azambuja.

Para Jair Galvão, um dos técnicos responsáveis pelo projeto, os resultados obtidos com a produção de orgânicos nos canteiros do Jardim Centro Oeste, serão repetidos nas demais. “Agora (com a parceria) realmente nós tomamos um rumo certo, e se Deus quiser vamos avançar sempre. Resultado 100% satisfatório. As famílias estão aí envolvidas, participando no dia a dia. Você vê que a horta responde fácil. Se você plantou, adubou e cuidou, sem dúvida vai colher um produto saudável”.

*Com informações da assessoria.

Felpuda


Prefeitura de município do interior de MS recebeu recomendação do Ministério Público do Estado no sentido de exonerar servidores comissionados, livres do cartão de ponto, que são parentes de secretários da administração e de vereadores. O nepotismo se tornou um excelente “negócio” por lá, e se até o dia 6 de agosto as devidas providências não forem tomadas, medidas serão adotadas, como ação por improbidade administrativa. Tem gente que não aprende mesmo, né?