PARA CRIADORES

50 mil toneladas de milho serão oferecidas em leilão virtual

Solicitação foi feita por pecuaristas de MT
03/05/2019 16:18 - ALINE OLIVEIRA


 

Está confirmada para próxima quinta-feira (9), uma nova rodada de leilão para venda de milho em grão, realizado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A ação atende à solicitação do setor pecuarista, principalmente do estado de Mato Grosso. 

A quantidade ofertada será a mesma, 50 mil toneladas, com limite até 300 mil toneladas. Os critérios de adesão ao leilão permanecem os mesmos. Qualquer interessado pode participar, exceto comerciantes. 

É necessário estar com os dados atualizados no Sistema de Cadastro Nacional de Produtores Rurais (Sican) e também na Bolsa de Mercadorias, por meio da qual pretendam realizar a operação. Além disso, precisa estar em situação regular no Sistema de Registro e Controle de Inadimplentes da Conab (Sircoi).

“A Conab foi autorizada a vender até 300 mil toneladas”, explica o diretor de Política Agrícola e Informações da Conab, Guilherme Bastos. “Mas como a nova safra começa a entrar a partir da segunda quinzena deste mês, pode ser que não seja necessária a oferta total desta quantidade”, conclui.

Na quinta-feira (2), o mercado adquiriu cerca de 24,8 mil toneladas de milho, que foram comercializadas nos avisos Nº 64 e 65. O valor total arrecadado com estas operações foi de R$ 8,1 milhões.

Com isso, a Conab realizou até agora dez operações de leilão que ofertaram cerca de 194,3 mil t do grão, das quais foram adquiridas 55,3 mil toneladas.

*Com informações da Ascom Conab

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".