RECEITA

Arroz-doce com chocolate no copinho é sobremesa que não tem erro

Arroz-doce com chocolate no copinho é sobremesa que não tem erro
04/06/2019 19:00 - GUIA DA COZINHA


 

O arroz-doce com chocolate no copinho fica lindo para ser servido em festas convencionais ou juninas. O creme de chocolate deixa a receita ainda mais gostosa e o granulado em cima dá um ar mais sofisticado ao prato.

Tempo: 1h
Rendimento: 15 porções
Dificuldade: fácil

Ingredientes do arroz-doce 

2 xícaras (chá) de arroz cru lavado e escorrido
3 xícaras (chá) de água
1 litro de leite
1 lata de leite condensado
2 colheres (sopa) de açúcar
1 canela m pau
3 cravos-da-índia

Creme de chocolate

1 colher (sopa) de maisena
1 e 1/2 xícara (chá) de leite
3 colheres (sopa) de chocolate em pó
2 colheres (sopa) de açúcar
1 colher (chá) de manteiga
Chocolate granulado para polvilhar

Modo de preparo

Deixe o arroz branco de molho em água por 30 minutos.

Escorra e despeje em uma panela. Acrescente a água e cozinhe em fogo baixo até a água secar quase por completo.

Em uma panela grande, misture o leite, o leite condensado, o açúcar, a canela e o cravo.

Adicione o arroz e leve ao fogo baixo, mexendo de vez em quando. Cozinhe até o arroz ficar macio e o caldo encorpar.

Em uma panela, dissolva a maisena no leite. Acrescente o chocolate, o açúcar, a manteiga e leve ao fogo baixo, mexendo até engrossar.

Despeje o arroz-doce nos copinhos até atingir 1/3 da capacidade.

Coloque uma camada de chocolate e cubra com o restante do arroz. Polvilhe com granulado e sirva.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".