Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, segunda, 19 de novembro de 2018

Sucessão estadual

Vazio na política tira opção para
eleição do novo governador de MS

Desafio será encontrar alguém com capacidade

25 JUL 2017Por Adilson Trindade07h:00

Encontrar um ou mais nomes de pessoas que reúnam capacidade administrativa e financeira para devolver o Estado de Mato Grosso do Sul rumo ao desenvolvimento, não é tarefa difícil. Ao contrário. Seria possível apontar grande número delas. O difícil, senão impossível, será encontrar uma ou mais pessoas que, também, agreguem a seus nomes conhecimento eleitoral positivo ou seja, aqueles que sejam reconhecidamente empresários de sucesso e alto conhecimento e reconhecimento popular. No jargão popular, achar essa ou essas pessoas para a disputa eleitoral será mais difícil do que arrancar pica-pau do tôco.

Essa declaração, posta no pano eleitoral, revela a inquietação das lideranças políticas que buscam pelo menos um nome contemplados com esses dois requisitos. Não basta ser um grande empresário com capacidade administrativa. Fácil, até. É preciso que ele tenha esse reconhecimento ou, no mínimo, ter imensa capacidade de conquistar a maioria dos eleitores em uma campanha tão curta. Pior, com a limitação de recursos impostas pela nova legislação eleitoral. E mais grave, ainda, sem dinheiro nem sequer em volume suficiente para permitir campanha eleitoral em um Estado tão grande.

As acusações contra as lideranças dos principais partidos deixaram vazio na política de Mato Grosso do Sul. Nas conversas informais, os deputados sentem o desgaste por causa dos grandes escândalos de corrupção no País. O líder do PMDB na Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Rocha, criticou recentemente o risco para democracia a criminalização da política. Ninguém é contra o combate a corrupção. Mas dentro do preceito legal.

Reportagem completa está na edição de hoje do Correio do Estado.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também