ARTICULAÇÃO

Temer tenta conquistar voto de<br> Elizeu Dionizio contra denúncia

Presidente ainda não tem apoio da maioria para barrar aprovação
06/07/2017 04:00 - DA REDAÇÃO


 

Em busca de votos para se livrar da denúncia por corrupção passiva, o presidente Michel Temer (PMDB) aumentou a ofensiva sobre parlamentares indecisos do PSDB.

Ontem pela manhã, ele se reuniu com o deputado federal Elizeu Dionizio (PSDB), único membro titular de Mato Grosso do Sul na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara.

O aliado de Temer, deputado federal Carlos Marun (PMDB), assumiu na semana passada a vaga de suplente da comissão.

Principal partido da base governista e cuja maioria dos parlamentares tem evitado declarar apoio público ao peemedebista, o PSDB tem ao todo sete titulares na CCJ. Destes, três já se pronunciaram a favor da denúncia e os outros quatro, incluindo Elizeu Dionizio, não manifestaram ainda como votarão.

Pelos cálculos do Palácio do Planalto, Temer teria 30 dos 66 votos na comissão, menos do que a maioria simples de 34 votos para aprovar um relatório favorável ou derrubar um desfavorável a ele.

É por isto que os quatro parlamentares têm sido alvo do governo. Eles podem garantir o apoio mínimo para conseguir levar a plenário um relatório que garanta a continuidade de Temer no cargo.

*Leia reportagem, de Tavane Ferraresi, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".