Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ELEIÇÃO 2020

Puccinelli diz não ter receio de prisão caso candidate-se em 2020

Ex-governador alega não ter pretensão de concorrer e destacou que foi preso sem condenação

16 MAR 19 - 06h:00YARIMA MECCHI E IZABELA JORNADA

O ex-governador e ex-candidato ao Executivo de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli, disse que não tem receio de ser preso caso seja novamente candidato a algum cargo eletivo em 2020 ou 2022. Em entrevista na sede do MDB na sexta-feira o mesmo alegou que não tem a pretensão de ser candidato, porém “o futuro à Deus pertence” e sua opinião ainda pode mudar. 

“Não sei lhe dizer se seria candidato. Em questão jurídica me prenderam sem denúncia, não tinha condenação em primeira instância. Agora que começou a investigação. Se a gente não tiver a coragem ocasionada da certeza que não fez o que disseram não fazemos nada”, destacou Puccinelli lembrando da situação que passou em 2018 quando ainda era pré-candidato ao Governo de Mato Grosso do Sul pelo MDB e foi preso no dia 20 de julho, tendo o pedido de liberdade concedido apenas em 19 de dezembro, já após o pleito. 

Como estava preso, André desistiu da candidatura e indicou a senadora Simone Tebet como nome para representar o MDB nas urnas. Inicialmente a emedebista aceitou o pedido do presidente regional do partido, mas desistiu, levando a candidatura do então presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALMS), Junior Mochi, que buscava a reeleição, representar a agremiação no pleito. 

Como presidente regional do MDB até 2 de dezembro deste ano, André destacou que não tem medo de perseguição política e espera não ser novamente preso. 

“Eu não pretendo ser candidato, estou exercendo uma função que não é pública. Perseguir mais do que eu já fui? O Zé Dirceu tem condenação em 2ª instância e veio aqui lançar livro. Eu fui preso sem condenação e sem denúncia. É sacanagem demais. Espero que não aconteça, sou cristão e creio em Deus”. 

Com a proximidade da eleição para prefeito e vereadores, marcada para outubro de 2020, os partidos políticos estão se organizando na criação de bases municipais e a disposição de nomes com representatividade nas urnas, com a reforma eleitoral está proibida as coligações nas chapas proporcionais.
Durante reunião do partido, na sexta-feira, as principais lideranças, entre elas, o ex-senador Waldemir Moka, o ex-deputado federal Carlos Marun, os deputados estaduais Márcio Fernandes, Eduardo Rocha e Renato Câmara, além da senadora Simone Tebet e da ex-deputada Antonieta Amorim, estiveram presentes e apoiaram Puccinelli na permanência da direção da sigla. 

“O MDB deve continuar unido, sob o comando de André até a próxima convenção, quando o futuro dependerá do seu desejo de continuar à frente do partido e da eventual disposição de outros correligionários de pleitear a função”, destacou Marun. 

O ex-presidente da ALMS Mochi afirmou que, caso seja necessária a renovação do MDB, a decisão deve partir de Puccinelli. “André ainda é a figura expressiva do partido. Ele ainda é o nome mais forte, tem de continuar no comando e deve partir dele a necessidade de renovação. Ele que vai decidir se é importante renovar”.

O deputado Renato Câmara já afirmou que colocará seu nome à disposição para presidir o partido em Mato Grosso do Sul. 

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Maia diz que prisões não afetam Previdência e minimiza crise com reforma de militares

COMPROMISSOS ADIADOS

Maia suspende agenda ao saber da prisão de Temer e Moreira Franco

Eliseu Padilha também é alvo da operação deflagrada hoje
Em MS, políticos <br> comentam prisão de Temer
MDB

Em MS, políticos
comentam prisão de Temer

Ministra de MS cai nas graças de Trump durante negociações
IGUALDADE DE MERCADO

Ministra de MS cai nas graças de Trump durante negociações

Mais Lidas