DECISÃO POLÍTICA

PSDB de MS é contra derrubada <br>de Temer para não agravar crise

Governador sinalizou apoio ao presidente, bem como integrantes da bancada
12/07/2017 04:00 - DA REDAÇÃO


 

As lideranças do PSDB de Mato Grosso do Sul preferem a permanência do presidente Michel Temer no cargo a afastá-lo para ser processado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), para evitar o agravamento da crise política e econômica do País.

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) já deu demonstração de não seguir a mesma linha dos congressistas tucanos pelo rompimento do partido com Temer.

Azambuja tem recebido apoio do Planalto para aliviar a crise financeira do Estado. Então, não vê sentido o desembarque do partido neste momento de instabilidade política do País.

A autorização da Câmara dos Deputados para o STF analisar a denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, poderá agravar ainda mais a instabilidade política e colocar em risco todos os planos do Planalto de ajudar os estados, particularmente Mato Grosso do Sul.

O líder da bancada do PSDB na Assembleia Legislativa, deputado Beto Pereira, manifestou-se contra o rompimento com o governo Temer. “Há uns que defendem sair do governo, outros defendem apoiar”, observou, admitindo com esta avaliação a existência de racha no partido. “Tem de pensar muito bem antes de casar”, ressaltou. “Faz compromisso e agora que está fedendo solta?”, questionou.

*Leia reportagem, de Adilson Trindade e Izabela Jornada, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".