Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TRANCA PAUTA

Projeto que cria SUAS deve ser votado amanhã, avalia Trad

Prefeito diz que fez as modificações pedidas pela categoria
10/07/2019 15:00 - EDUARDO PENEDO


 

O projeto de Lei 9.256/19, da Prefeitura de Campo Grande, que cria o Sistema Único de Assistente Social (SUAS) em Campo Grande, que travou a pauta da Câmara Municipal na sessão desta terça-feira (9) vai voltar amanhã (11) para ser apreciado pelos vereadores com as modificações que foram pedidas. Pelo menos é o que afirma o prefeito da Capital, Marcos Trad (PSD), durante a assinatura do Programa Finisa II na manhã desta quarta-feira (10). “Já volta amanhã, com as modificações que eles pediram, coisas pequenas que não interferem em nada no projeto, tudo já está resolvido e o projeto volta amanhã na Câmara”, explica.  

Segundo Trad, as outras gestões não contemplavam as categorias como ele contempla. "A grande verdade é o seguinte: você tem que reconhecer essas associações e entidades, eles fazem aquilo que a administração deveria fazer, se a gente não ajudar esse pessoal vai ser um problema social. Então tudo e pergunta para eles nem um gestor deu a eles tanto quanto eu dou, porque eu sei o que é cuidar de uma pessoa com deficiência,  eu sinto isso, então comigo tudo que eles tiverem direito tudo eu repito tudo para cuidar de pessoas deficientes são abandonados pelos próprios pais nós vamos cuidar”, argumenta. 

Na sessão de ontem (9), na Câmara Municipal a categoria foi pressionar os vereadores apontando que a mudança do veto fere a legislação federal. Com a abertura da votação vereador William Maksoud (PMN) pediu vista e trancou a pauta impedindo a votação de oito projetos e vetos.  

Felpuda


As conversas vêm acontecendo muito, mas muito reservadamente mesmo, e dão conta de que suplente poderá receber convocação, assumir a titularidade do cargo e por lá ficar por tempo indeterminado. Como é óbvio, tem gente jurando que nunca ouviu nem sequer falar sobre o assunto. O motivo não seria nada ligado a possíveis atos de irregularidades, mas sim por problemas de ordem pessoal.