Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

facilidades

Procurador da Lava Jato critica acordo
de leniência entre BC e bancos

9 JUN 17 - 20h:00FOLHAPRESS

Um dos coordenadores da força-tarefa da Operação Lava Jato, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima criticou a medida editada pelo governo de Michel Temer (PMDB) que permite ao Banco Central fechar acordo de leniência com banqueiros e instituições financeiras -em condições, segundo ele, "benevolentes e nada republicanas".

"Não se pode criar uma legislação para atingir um objetivo que não é sequer republicano", afirmou, em entrevista à Folha de S.Paulo.

A Medida Provisória 784, publicada na noite de quarta (7), estabelece a possibilidade de sigilo absoluto do acordo, além de permitir que a instituição financeira não precise delatar terceiros para fechar a leniência.

A publicação ocorreu dias depois de virem a público notícias de que o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci pretende delatar banqueiros e empresários, em acordo que está em negociação com a Lava Jato.

Para o Ministério Público Federal, o sigilo é o mecanismo mais preocupante, já que prejudica outras investigações.

"Acaba tudo numa gaveta", afirma o procurador. "Você confessa o fato, paga uma multa insignificante e encerra todo o assunto? Sem qualquer consequência penal, já que ninguém vai ficar sabendo?" Para Lima, "a mensagem é que tudo se resolve numa sala". "Isso não é aceitável no serviço público", diz.

A MP também aumentou o teto das multas a serem aplicadas pelo BC a bancos lenientes: de R$ 250 mil para R$ 2 bilhões. A nova regra, porém, só vale a partir da publicação da lei -ou seja, crimes e irregularidades cometidas antes disso continuam pagando o teto anterior, que, para o procurador, é "insignificante".

Lima diz que a força-tarefa foi pega "de surpresa" com a medida, e que pretende debater seu teor com o Banco Central e com o Congresso, a fim de alterá-la.

Para ele, a medida não atende ao interesse público e não é de "uma urgência constitucional". Em evento nesta sexta (9), o diretor do BC Reinaldo Le Grazie disse que a medida vinha sendo discutida há sete anos.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Alcolumbre assume Presidência e fala em 'responsabilidade com o povo brasileiro'
INTERINAMENTE

Alcolumbre assume Presidência e fala em 'responsabilidade com o povo brasileiro'

Senado conclui votação da reforma da Previdência
BRASÍLIA

Senado conclui votação da reforma da Previdência

Ministro Marco Aurélio vota contra prisão após condenação em 2ª instância
STF

Ministro Marco Aurélio vota contra prisão após condenação em 2ª instância

Comissão que estuda reforma dos militares suspende sessão para buscar acordo
PREVIDÊNCIA

Comissão que estuda reforma dos militares suspende sessão para buscar acordo

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião