Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

PRESSÃO

Presidente da Bolívia, Evo Morales anuncia sua renúncia

Líder indígena oficializou saída do cargo para evitar aumento da violência no país

10 NOV 19 - 17h:04FÁBIO ORUÊ, com agências

O presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou neste domingo (10) sua renúncia pela televisão. Segundo informações do jornal O Estado de São Paulo, o agora ex-presidente, que chegou ao cargo em janeiro de 2006, oficializou saída, para evitar aumento da violência no país. O anúncio veio horas depois que o comandante das Forças Armadas da Bolívia, Williams Kaliman, havia pedido que Morales renunciasse ao cargo.

Conforme informações do jornal boliviano 'El Deber', a permanência de Moralez no poder foi abalada  porque o relatório preliminar da Organização dos Estados Americanos (OEA), que audita as eleições de 20 de outubro, havia estabelecido irregularidades importantes na contagem de votos, o que gerou protestos por parte da oposição e da população. 

“Por que decidi essa renúncia, para que [Carlos] Mesa e [Luis Fernando] Camacho não continuem perseguindo meus irmãos, líderes sindicais, para que Mesa e Camacho não continuem sequestrando e maltratando os parentes de nossos líderes sindicais como irmão Teodoro Mamani em Potosí. Para que não continuem prejudicando comerciantes e transportadores que não saem do trabalho em Santa Cruz ”, afirmou Evo, confirmando sua decisão

Morales acrescentou que sua renúncia é pela pacificação do país, para que os confrontos entre bolivianos não continuem. Em quase toda a sua entrevista coletiva, ele citou Carlos Mesa - candidato à Comunidade do Cidadão e oposição de Evo - e Luis Fernando Camacho, presidente do Comitê de Santa Cruz, que liderou a resistência com uma greve por tempo indeterminado.

“Espero que Mesa e Camacho tenham entendido minha mensagem, pedindo a eles e a outros comitês civis que não maltratem irmãs e irmãos, não prejudiquem, não enganem com mentiras, não usem as pessoas com pré-agenda para prejudicar o povo boliviano. Eu disse a todos os bolivianos e ao mundo inteiro para saber como os grupos oligárquicos conspiram contra a democracia. É histórico, inédito, no entanto, tenho a obrigação de buscar a paz ”, acrescentou.

Conforme a Agência Brasil, Evo havia anunciou a realização de um novo pleito nacional, na manhã de hoje (10), em data que ainda iria ser definida. “Decidi convocar novas eleições nacionais que, mediante o voto, permita ao povo boliviano eleger democraticamente a suas novas autoridades, incorporando novos atores políticos [ao processo político]”, disse Morales ao anunciar sua decisão, porém, o povo boliviano foi surpreendido com a renúncia 

O ex-presidente Boliviano também anunciou que iria substituir os atuais membros do Tribunal Superior Eleitoral. “Nas próximas horas, a Assembleia Legislativa Plurinacional, de acordo com todas as forças políticas, estabelecerá os procedimentos para isto”.

De acordo com a imprensa boliviana, nas últimas horas, houve ataques a residências, incluindo de familiares de Morales, e prédios públicos. No Twitter, Morales denunciou que “fascistas” incendiaram a casa dos governadores de Chuquisaca y Oruro, e também de sua irmã, Esther Morales, em Oruro. Emissoras de rádio e TV estatais, como a Bolívia TV, foram alvo de protestos. Há informações ainda não confirmadas de que Evo deixou La Paz, capital boliviana, e iria pedir refúgio na Argentina.

*Matéria alterada às 17h38 para acréscimo de informações.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Bolsonaro diz que gostaria de dólar abaixo de R$ 4 e cita impacto externo
BRASIL

Bolsonaro diz que gostaria de dólar abaixo de R$ 4 e cita impacto externo

Nota premiada e Refis do TCE <br> foram aprovados em comissão
ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Nota premiada e Refis do TCE
foram aprovados em comissão

No Senado, CCJ adia para terça votação sobre segunda instância
BRASÍLIA

No Senado, CCJ adia para terça votação sobre segunda instância

Orçamento de R$ 15,8 bilhões é aprovado em primeira votação
LOA 2020

Orçamento de R$ 15,8 bilhões é aprovado em primeira votação

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião