Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

LAVA JATO

Polícia capta conversa de Lula com diretor da Odebrecht

Ambos combinam posicionamento sobre viagens à África que empreiteira pagou

15 AGO 15 - 13h:51FOLHAPRESS

Pela primeira vez nas investigações da Operação Lava Jato, a Polícia Federal captou uma conversa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com um investigado que logo depois foi preso.

No diálogo, com um diretor da Odebrecht chamado Alexandrino Alencar, o executivo avisa o ex-presidente que irá combinar um posicionamento conjunto com o Instituto Lula sobre as viagens à África que a empreiteira bancou. Alexandrino fez seis viagens com Lula à África, entre 2011 e o início de 2015.

Na época do diálogo, Lula e a Odebrecht estavam sendo questionados sobre os motivos que levaram a empreiteira abancar as viagens do ex-presidente depois de ter recebido recursos do BNDES.

A conversa ocorreu em 15 de junho deste ano, quatro dias antes de Alexandrino ser preso pela PF, sob suspeita de pagar propina a políticos e funcionários de estatais.

"Eu conversei hoje com o Paulo, pra gente acertar o posicionamento nosso junto com o de vocês, tá? Combinado?", diz Alexandrino, referindo-se provavelmente a Paulo Okamoto, presidente do Instituto Lula. "Tá bom, tá bom. Um abraço, meu irmão. Tchau", responde Lula.

Lula não é investigado pela Lava Jato. Ao ser questionado se o ex-presidente poderia ser alvo da apuração, o procurador Carlos Fernando de Lima disse que "ninguém está isento de ser investigado".

Na conversa telefônica, de 3 minutos e 42 segundos, Lula e Alexandrino conversam sobre um seminário realizado pelo jornal "Valor Econômico" no qual Marcelo Odebrecht defendeu os empréstimos do BNDES.

Lula liga a Alexandrino para saber como foi o evento. "Muito bom, muito bom", diz Alexandrino. "O Marcelo andou distribuindo umas verdades lá."

Marcelo Odebrecht, que também foi preso em junho, criticou o que chamou de "desinformação" e "politização" sobre os empréstimos do BNDES para empresas brasileiras que atuam fora do país.

Alexandrino conta a Lula que até um "tucano de primeira plumagem", o economista Eduardo Giannetti da Fonseca, defendeu as viagens ("isso não é matéria para politizar, nós temos que estar preocupados com o Brasil").

Lula diz que falou com o economista Delfim Netto sobre a mesma questão: "Ele vai publicar um artigo no 'Valor' dando o cacete", conta.

No artigo "Exportação de serviços e o 'complexo de vira-lata'", publicado um dia após a conversa, Delfim diz que "a maior miopia é não enxergar que 'exportar é o que importa'" e que demonizar os empréstimos do BNDES é "a maior afirmação do famoso 'complexo de vira-lata'".

Em nota, a Odebrecht disse que "lamenta que as informações sejam colocadas fora de contexto, traçando conclusões equivocadas que confundem a opinião pública".

O Instituto Lula não se pronunciou a respeito.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Veículo usado para prática de contrabando ou descaminho poderá ser leiloado em 90 dias
CÂMARA DOS DEPUTADOS

Veículo usado para prática de contrabando ou descaminho poderá ser leiloado em 90 dias

Bolsonaro descarta recriação do Ministério da Segurança Pública
GABINETE

Bolsonaro descarta recriação do Ministério da Segurança Pública

'Não tenho resposta', diz Huck sobre 2022
ELEIÇÕES

'Não tenho resposta', diz Huck sobre 2022

Tribunal mantém ação contra Puccinelli na Justiça Estadual
PROPINA DA JBS

Tribunal mantém ação contra Puccinelli na Justiça Estadual

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião