Campo Grande - MS, terça, 21 de agosto de 2018

Sem material

PF não tem tornozeleira eletrônica para atender prisão domiciliar de Geddel

Geddel ganhou domiciliar após dez dias preso na Papuda, em Brasília

14 JUL 2017Por Istoé16h:31

A Superintendência Regional da Polícia Federal na Bahia informou nesta sexta-feira, 14, que ‘não dispõe de sistema de monitoramento eletrônico de pessoas, comumente conhecido como tornozeleira eletrônica’.

O desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), havia dado prazo de 48 horas para a PF instalar a peça no tornozelo do ex-ministro do governo Temer, Geddel Vieira Lima – em regime domiciliar em Salvador desde a noite desta quinta-feira, 13.

Geddel ganhou domiciliar após dez dias preso na Papuda, em Brasília, por ordem do juiz Vallisney Oliveira, da 10ª Vara Federal do DF. O ex-ministro está sob suspeita de pressionar a mulher do doleiro Lúcio Funaro, Raquel Pitta, para evitar que ele faça delação premiada.

Ao tirar Geddel do regime fechado, o desembargador Bello impôs uma condição, a instalação da tornozeleira no ex-ministro. O magistrado deu 48 horas para a PF na Bahia tomar a providência.

Mas, nesta sexta, 14, a PF em Salvador afirmou em nota que ‘tal função não é afeta à atividade de polícia judiciária desempenhada pela Polícia Federal, e sim ao sistema prisional, seja ele o federal ou o estadual’.

“Registra-se que essa impossibilidade de cumprimento da decisão proferida para monitoramento eletrônico do senhor Geddel Quadros Vieira Lima – assim como já ocorrido em outros casos similares -, foi informada à 10ª Vara Federal do Distrito Federal na data de hoje”, diz a nota da PF.

Leia Também