Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

FUNDO PARTIDÁRIO

Em MS, três deputados e um senador defendem mais verba pública nas eleições

Comissão Mista de Orçamento do Congresso aprovou aumento de R$ 1,7 bilhão para R$ 3,8 bilhões

6 DEZ 19 - 10h:00CLODOALDO SILVA, DE BRASÍLIA

Três deputados federais e um senador de Mato Grosso do Sul deram aval para que a Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso Nacional aumentasse, na quarta-feira (4), o fundo eleitoral para 2020 de R$ 1,7 bilhão para R$ 3,8 bilhões. Para garantir mais dinheiro aos candidatos, foram retirados recursos das áreas de saúde, educação e infraestrutura, que já estavam no planejamento orçamentário do próximo ano. 

Houve redução de R$ 1,7 bilhão nas despesas de  15 ministérios, e os maiores cortes foram em saúde (R$ 500 milhões), infraestrutura e desenvolvimento regional (R$ 380 milhões), que inclui obras de habitação e saneamento. Na educação, o corte foi de R$ 280 milhões.

Esse relatório preliminar da CMO, com aumento de R$ 1,8 bilhão para o fundo eleitoral a ser usado na disputa municipal do ano que vem, só pode ser aprovado  porque no dia 27 do mês passado o Congresso derrubou sete vetos do presidente Jair Bolsonaro à minirreforma eleitoral, que havia sido aprovada em setembro. Entre eles, o que impedia os parlamentares de aumentarem o quanto quisessem o fundo eleitoral, destinado a financiar as campanhas políticas. 

Nessa votação, os deputados federais sul-mato-grossenses Fábio Trad (PSD), Vander Loubet (PT) e Dagoberto Nogueira (PDT) e o senador Nelson Trad (PSD) votaram pela derrubada do veto, contribuindo para garantir que o fundo eleitoral fosse aumentado. Foram 267 deputados e 49 senadores favoráveis à possibilidade da elevação do recurso a ser usado na campanha eleitoral. 

Já os deputados Dr. Luiz Ovando (PSL), Bia Cavassa, Beto Pereira  e Rose Modesto (os três do PSDB) e as senadoras Simone Tebet (MDB) e Soraya Thronicke (PSL)  votaram naquela data contra o aumento do fundo.

Com a autorização em mãos, o relator da peça orçamentária de 2020, deputado Domingos Neto (PSD-CE), apresentou seu parecer favorável ao aumento de R$ 1,7 bilhão para R$ 3,8 bilhões, recebendo apoio de 13 partidos (PP, MDB, PTB, PT, PSL, PL, PSD, PSB, Republicanos, PSDB, PDT, DEM e Solidariedade), que juntos formam uma bancada de 430 deputados e 62 senadores.

Na quarta-feira, o texto foi aprovado pela CMO, porém, logo depois houve questionamento para tentar barrá-lo. Em votação nominal específica  sobre a elevação do valor para o fundo, a maioria decidiu mantê-lo.

Pelo cronograma atualizado da CMO, na próxima semana, até o dia 11, deverão ser apresentados ao relator-geral os 16 relatórios setoriais da despesa. A votação do parecer final de Domingos Neto na CMO deve ocorrer até o dia 17. Em seguida, a proposta orçamentária será encaminhada para análise da sessão do Congresso. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), marcou essa sessão também para o dia 17 deste mês.

Presidente

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), disse que o aumento do fundo eleitoral deve ser explicado. “Nas democracias, as eleições precisam ser financiadas, e o financiamento privado é vetado. É preciso construir no financiamento público, mas tem de se verificar o valor e de onde virá o recurso para que a sociedade compreenda com o mínimo de desgaste possível para o Congresso”, ressaltou Maia.

Já o presidente do Senado federal, Davi Alcolumbre (DEM), e outros parlamentares alegam que os R$ 1,7 bilhão do fundo eleitoral usados na campanha de 2018 para as campanhas a presidente, governadores, senadores e deputados é insuficiente para financiar as campanhas do ano que vem, que envolvem disputas nos 5.570 municípios do País.

O relator-geral da proposta orçamentária acatou parcialmente 11 das 66 emendas apresentadas, todas para ampliar atribuições dele na definição prévia dos gastos. Outras 13 foram declaradas prejudicadas. Das 42 rejeitadas, 5 tiravam do relator-geral a possibilidade de elevar as verbas para as eleições municipais de 2020.

Neste ano, o relator-geral poderá destinar recursos extras para, por exemplo, reforço de investimentos já incluídos no texto ou novas obras; para redução de danos ambientais, especialmente os decorrentes do vazamento de óleo na costa brasileira; e para subvenções econômicas ligadas à renegociação de dívidas rurais.

O presidente da CMO, senador Marcelo Castro (MDB-PI), ressaltou que essas atribuições do relator-geral servem apenas para facilitar os ajustes no parecer sobre a proposta orçamentária, que, ao final, terá de ser aprovada pelo colegiado e também por deputados e senadores em sessão conjunta do Congresso.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

REFORMA

Reformas tributária e administrativa podem ir juntas ao Congresso

Bolsonaro está com a delegação em missão na Índia
MUDANÇAS

Senado manteve em 2019 veto à propaganda partidária na TV e rádio

Maia quer instalação de comissão da reforma tributária na primeira semana de fevereiro
BRASÍLIA

Maia quer instalação de comissão da reforma tributária na 1ª semana de fevereiro

De segurança pública, Moro não entende nada, diz governador do DF
ENTREVISTA

De segurança pública, Moro não entende nada, diz governador do DF

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião