SUSPEITA

MPE apura origem do dinheiro de Bernal para compra de imóveis

Ele é investigado por pagar apartamento e casa luxuosa sem ter renda
04/09/2017 04:00 - DA REDAÇÃO


 

A 30ª Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social apura origem do dinheiro usado pelo ex-prefeito Alcides Bernal (PP) para compra milionária de apartamento, em 2013, localizado atrás do Shopping Campo Grande, e depois trocar por luxuosa casa na Rua Antônio Maria Coelho. A denúncia foi feita na época em que Bernal estava à frente do Executivo Municipal. As investigações mostram a desproporcionalidade entre o valor da compra dos imóveis à evolução do patrimônio declarado pelo então prefeito.

O caso foi retomado pelo promotor de Justiça, Marcos Alex Vera de Oliveira, assim que assumiu a vaga do promotor Alexandre Capiberibe Saldanha. Conforme relatório parcial do Ministério Público Estadual (MPE), Bernal teria adquirido apartamento no Condomínio Edifício Parque das Nações por R$ 1,7 milhão, sendo que o valor de mercado do imóvel seria aproximadamente R$ 2,5 milhões.

Outro ponto destacado no documento são as declarações de bens do progressista feitas à Justiça Eleitoral. Na eleição de 2010, ele informou ter somente um imóvel residencial no Jardim Paulista, avaliado em R$  R$ 103.676. Dois anos depois, quando disputou a Prefeitura de Campo Grande o mesmo imóvel foi listado no valor de R$ 700 mil.

*Leia reportagem, de Gabriela Couto, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".