Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

JUSTIÇA

Moro vai ao Congresso entregar Projeto de Lei Anticrime

Mensagem presidencial acompanhará a proposta

19 FEV 19 - 07h:45AGÊNCIA BRASIL

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, deve ir ao Congresso Nacional hoje à tarde (19) para protocolar o projeto de lei anticrime, considerado uma das vitrines do novo governo. O projeto prevê alterações em 14 leis, como Código Penal, Código de Processo Penal, Lei de Execução Penal, Lei de Crimes Hediondos, Código Eleitoral, entre outros.

O objetivo, segundo o ministro, é endurecer o combate a crimes violentos, como o homicídio e o latrocínio, e também contra a corrupção e as organizações criminosas.

A previsão é que Moro apresente o projeto acompanhado da mensagem assinada pelo presidente Jair Bolsonaro. Antes, o ministro conversa com secretários estaduais de Segurança Pública e participa de reunião ministerial, no Palácio do Planalto.

Nas últimas semanas, Moro se reuniu com parlamentares, governadores,secretários de Segurança Pública e magistrados para apresentar e detalhar as medidas. O ministro afirmou que espera sugestões da sociedade civil para aprimorar alei anticrime.

TRAMITAÇÃO 

O projeto de lei de combate ao crime deverá tramitar paralelamente à proposta de reforma da Previdência, que deve ser apresentada ao Congresso Nacional nesta quarta-feira (20), para alterar as regras de aposentadoria dos trabalhadores dos setores público e privado.

Logo depois de assinar o texto, o presidente Jair Bolsonaro fará um pronunciamento à nação, para explicar a necessidade de mudar as regras do setor.

Os pontos da reforma revelados até agora são a idade mínima de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, com um cronograma de transição de 12 anos para quem está próximo dessas idades. 

O governo calcula que a reforma vai permitir uma economia de R$ 800 bilhões a R$ 1 trilhão nos próximos dez anos. Por se tratar de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC), a reforma da Previdência precisa ser votada em dois turnos na Câmara e no Senado, com o apoio de no mínimo três quintos dos deputados e dos senadores em cada votação.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CONTAS PÚBLICAS

Para ajustar finanças, governo quer reduzir contribuição estadual para Cassems

Azambuja alegou necessidade de se adaptar a medidas do ajuste fiscal estadual e federal
Secretários e procurador-geral não terão aumento; apenas prefeito e vice
VENCIMENTOS

Secretários e procurador-geral não terão aumento; apenas prefeito e vice

Sem Rose, PP aposta em diretor da Santa Casa para Capital
POLÍTICA

Sem Rose, PP aposta em diretor da Santa Casa para Capital

Deputados afirmam seguir Bolsonaro mesmo sem candidatura em 2020
ELEIÇÕES 2020

Deputados afirmam seguir Bolsonaro mesmo sem candidatura em 2020

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião