Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

BRASIL

Moro questiona provas ilícitas e cita má-fé de 'mensagens adulteradas'

19 JUN 19 - 11h:16ESTADÃO CONTEÚDO

Durante audiência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado nesta quarta-feira, 19, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, se manifestou contra a introdução de provas ilícitas em um processo. Ele separou o posicionamento, no entanto, do caso envolvendo as supostas mensagens com procuradores durante a Operação Lava Jato.

Para Moro, não há boa intenção ao "introduzir provas ilícitas que podem ter sido ainda adulteradas, editadas, mudadas, e que são utilizadas aqui não para proteger o inocente, estão sendo utilizadas aqui para minar os esforços anticorrupção". 

Embates

Moro protagoniza embates localizados com parlamentares ao falar sobre o caso na CCJ do Senado. O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) defendeu o trabalho da Lava Jato, mas questionou a parcialidade do ex-juiz e perguntou a Moro se ele seria a favor de usar provas ilícitas em processos criminais, como defendeu o pacote das dez medidas de combate à corrupção apresentado pelo Ministério Público Federal. 

"Me espanta falar em mérito da operação Lava Jato", disse o ministro ao parlamentares. "Pelo que entendi da sua fala, o senhor defende a anulação de tudo então, todas as denúncias condenações, devolver o dinheiro para Renato Duque, Paulo Roberto Costa... (diretores da Petrobras condenados na Lava Jato)", afirmou o ministro. O senador afirmou que Moro estava colocando palavras na sua boca. 

Em outro momento, o líder do PSD no Senado, Otto Alencar (BA), declarou que Moro tinha "péssima memória". Na CCJ, o ministro afirmou que é impossível lembrar de todo o conteúdo de mensagens trocadas há dois ou três anos. A presidente do colegiado, Simone Tebet (MDB-MS), pediu ordem aos senadores. 

Defensores de Moro, entre eles senadores do PSL, sentaram nas cadeiras da frente no plenário da comissão e defenderam o ministro em suas falas. Houve parlamentares governistas que chegaram a reservar lugares para colegas. Além disso, alguns deputados favoráveis a Moro foram ao Senado acompanhar a audiência.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Na Câmara, só dois líderes são contra aumento de fundo eleitoral
ELEIÇÕES 2020

Câmara: 2 líderes são contra aumento de fundo eleitoral

Não tem como eu subir no mesmo palanque que Marquinhos, diz Rose
ELEIÇÕES 2020

Não tem como eu subir no mesmo palanque que Marquinhos, diz Rose

BRASIL

Bolsonaro agora diz que há problema alimentar e apenas 'pequena parte passa fome'

PSDB em Ponta Porã quer eleger oito vereadores
ELEIÇÕES 2020

PSDB em Ponta Porã quer eleger oito vereadores

Mais Lidas