Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

CONTAS PÚBLICAS

Ministro entrega projeto do Orçamento ao Congresso

É a primeira vez que o projeto do Orçamento é entregue com previsão de déficit

31 AGO 15 - 14h:43G1

O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, entregou nesta segunda-feira (31) ao presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), o projeto do Orçamento de 2016. Esta é a primeira vez na história, segundo o ministério, em que o projeto do Orçamento tem previsão de déficit.

Barbosa chegou ao Congresso acompanhado do ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Após entregar o texto para Renan, os ministros se dirigiram ao Palácio do Planalto, para dar entrevista coletiva em que explicarão detalhes do projeto, que também contém dados como a previsão do salário mínimo e as perspectivas para o crescimento da economia e para a inflação.

Mais cedo, após participar de um fórum em São Paulo, o vice-presidente da República, Michel Temer, disse que o Orçamento com previsão de déficit é uma demonstração de que não haverá "maquiagem" nas contas públicas.

Nos últimos dias, Dilma comandou diversas reuniões com ministros que integram a chamada "junta orçamentária" do governo para tentar fechar os número do Orçamento. No sábado, após horas reunida com auxiliares no Palácio da Alvorada, ela desistiu, momentaneamente, da ideia de retomar a CPMF, imposto sobre transações bancárias.  A possibilidade de o governo recriar a CPMF repercutiu negativamente no Congresso e no meio empresarial.

Na noite deste domingo (30), depois de o governo debater inúmeros cenários para o Orçamento, Nelson Barbosa foi à residência oficial do Senado comunicar pessoalmente a Renan a decisão do Planalto de incluir a previsão de déficit na peça orçamentária de 2016.

Prazo
No Congresso, o projeto é avaliado de forma conjunta por deputados e senadores. Primeiro, o texto passa pela Comissão Mista de Orçamento (CMO). Em seguida, precisa ser votado pelo plenário do Congresso Nacional. O texto aprovado, que pode conter modificações em relação ao original, segue para sanção da presidente da República.

De acordo com a Constituição, o Orçamento deve ser aprovado pelo Congresso até dezembro de cada ano.  Quando isso não acontece, o governo só pode gastar no ano seguinte o correspondente a 1/12 do orçamento do ano anterior, até que o novo orçamento seja aprovado.

O orçamento deste ano só foi aprovado pelo Congresso em março, depois de a votação ser adiada algumas vezes. Com a demora para a aprovação, alguns ministérios tiveram queinterromper projetos ou retardar verbas previstas para alguns programas.

CPMF
O governo federal chegou a anunciar, na quinta-feira (27), que estudava a criação de um novo imposto para financiar a saúde, nos mesmos moldes da antiga Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), que vigorou por dez anos e acabou em 2007, quando foi derrubada pelo Senado.

Havia expectativa de que esse novo imposto, que poderia arrecadar até R$ 85 bilhões por ano, segundo cálculos do governo, pudesse ser incluído no Orçamento. No sábado, no entanto, a presidente Dilma Rousseff desistiu de recriar o imposto.

Conforme revelou o Blog do Camarotti, diante da desistência da presidente, o governo buscava uma alternativa para fechar as contas do próximo ano, sem perder credibilidade. A decisão do governo de apresentar o Orçamento com previsão de déficit, tomada por Dilma e pelos ministros da área econômica na noite deste domingo, pretende dar realismo e transparência aos números, segundo o Blog.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Projeto federaliza rodovias estaduais de MT e MS que formam Transpantaneira
CÂMARA DOS DEPUTADOS

Projeto federaliza rodovias estaduais de MT e MS que formam Transpantaneira

Após falhas no Enem, deputada pede explicações ao Ministério da Educação
EDUCAÇÃO

Após falhas no Enem, deputada pede explicações a ministério

Bolsonaro escala General Mourão para combater desmatamento na Amazônia
SELVA

Bolsonaro escala General Mourão para combater desmatamento na Amazônia

MPF pede para Puccinelli devolver meio bilhão de reais
JUSTIÇA

MPF pede para Puccinelli devolver meio bilhão de reais

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião