Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

organização criminosa

Michel Temer decide processar Joesley Batista após acusação em entrevista

17 JUN 17 - 12h:11FOLHAPRESS

O presidente Michel Temer decidiu processar Joesley Batista, sócio do grupo J&F, após o empresário afirmar, em entrevista à revista "Época", que o peemedebista lidera a "maior organização criminosa do país".

Temer vai divulgar uma longa nota ainda neste sábado (17) para dizer que entrará com ação civil e penal contra o empresário.

Segundo a Folha de S.Paulo, o presidente acredita que o Ministério Público Federal vai utilizar as novas declarações de Joesley para "reconstruir" a base da denúncia que deve apresentar contra ele na próxima semana.

Na nota, Temer acusará Joesley de proteger determinado partido político, em referência ao PT, e criticará a impunidade, também em citação indireta, desta vez em relação à PGR (Procuradoria-Geral da República) e seu comandante, Rodrigo Janot.

Na entrevista, o empresário diz que o ex-presidente Lula "institucionalizou" a corrupção no país, mas que nunca teve uma conversa não republicana com o petista.

Integrantes do governo admitem, em caráter reservado, que o discurso do empresário cria um novo abalo político para o Planalto, que está mergulhado em uma grave crise há um mês, desde que vieram a público os detalhes da delação da JBS.

A ordem de Temer, portanto, é manter a ofensiva contra a JBS e contra a PGR que, segundo assessores do presidente, claramente investe em uma "escalada" contra o governo, cujo próximo passo, acreditam, deve ser a prisão do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA).

À "Época", Joesley afirma que Geddel era o "mensageiro" responsável por informar Temer sobre pagamentos feitos pelo empresário ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso desde o ano passado em Curitiba.

Ainda de acordo com Joesley, Geddel o procurava quinzenalmente para se atualizar sobre a compra do silêncio de Cunha e repassar as notícias ao presidente. "Era uma agonia terrível", diz o empresário.

Em suas novas declarações, o sócio da J&F confirma o que disse em seu depoimento à PGR sobre pagar Cunha e o operador Lúcio Bolonha Funaro, também preso, para que ambos não o delatassem.

Para Joesley, Temer é o chefe de uma organização criminosa que contava com Cunha, Geddel, o ex-ministro Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), preso há dez dias, e os ministros Moreira Franco (Secretaria-Geral) e Eliseu Padilha (Casa Civil).

"Quem não está preso está hoje no Planalto. Essa turma é muita perigosa. Não pode brigar com eles", diz Joesley.
Um dos principais auxiliares de Temer, Moreira nega qualquer irregularidade e diz que as declarações do empresário são uma "suspeição afrontosa".

"Politicamente, dentro do PMDB, eu militei no grupo liderado pelo presidente Michel Temer mas jamais participei ou vi práticas ilícitas. É uma suspeição afrontosa o que esse senhor levanta", declarou Moreira à reportagem.

BASE ALIADA

Auxiliares de Temer avaliavam como "frágeis" os elementos que seriam utilizados para sustentar as acusações contra o presidente -baseadas na gravação de uma conversa entre Temer e Joesley- mas agora admitem, em caráter reservado, que o novo discurso do empresário pode corroborar as suspeitas por corrupção, obstrução de justiça e formação de organização criminosa e robustecer a denúncia.

No Congresso, o plano da coalizão governista é partir para o ataque contra Joesley e o Ministério Público por meio da CPI criada, mas ainda não instalada, para tratar da delação da JBS.

Um dos aliados de Temer, o deputado Beto Mansur (PRB-SP) diz que o presidente é o primeiro a defender que tudo seja investigado e esclarecido: "Esse sujeito [Joesley] é réu confesso e tem um acordo de delação que o livrou desse monte de sujeira. Do outro lado, tem pessoas que negam as acusações. Tem que se investigar tudo."

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Deputado do PSL-MS tirou apoio a Eduardo Bolsonaro
LIDERANÇA NA CÂMARA

Deputado do PSL-MS tirou apoio a Eduardo Bolsonaro

'Vou implodir o presidente', diz líder do PSL na Câmara; Ouça o áudio
CRISE NO PARTIDO

'Vou implodir o presidente', diz líder do PSL na Câmara; Ouça o áudio

BRASIL

Desembargador do TRE-MG proíbe novos inquéritos contra ministro do Turismo

BRASIL

Governo quer criar ou extinguir órgãos sem precisar de aval do Congresso

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião