Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

POLÍTICA

MBL abre dissidência virtual e critica atuação de Bolsonaro nas redes sociais

13 MAR 19 - 13h:00FOLHAPRESS

Apesar de ter apoiado Jair Bolsonaro no segundo turno contra Fernando Haddad (PT) em 2018, o MBL (Movimento Brasil Livre) está abrindo uma dissidência virtual ao governo e tem ido às redes sociais para criticar a atuação do presidente.

O grupo foi um dos principais articuladores das manifestações pelo impeachment da petista Dilma Rousseff e conseguiu eleger parlamentares pelo país nas últimas duas eleições. A ideia agora é se distanciar do presidente e abrir uma ala de direita independente do bolsonarismo.

Parlamentares e coordenadores ligados ao movimento criticaram nas últimas semanas as postagens polêmicas de Bolsonaro no Twitter.

Nesta segunda-feira (11), Renan Santos, um dos principais coordenadores nacionais do MBL, gravou um vídeo em que chama de "cagada" a publicação em que o presidente atacou uma repórter do jornal O Estado de S. Paulo, no domingo (10).

"Não é estratégia, é cagada, é desgaste, não é inteligente isso", diz Santos no vídeo, que até a tarde desta terça-feira (12) acumula 70 mil visualizações. "É uma máquina de crises inúteis."

Ele, considerado o principal estrategista do movimento, afirma que ao publicar uma notícia falsa, Bolsonaro "dá discurso para a esquerda" e diz que o mandatário precisa focar na aprovação da reforma da Previdência. 

Antes, o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP), principal figura midiática do MBL, foi ao Twitter criticar o presidente por compartilhar em sua linha do tempo um vídeo obsceno em que um homem urina em outro durante um bloco de Carnaval em São Paulo. 

"O tweet de Bolsonaro é incompatível com a postura de um presidente, ainda mais de direita. Bola fora", escreveu no dia 6 de março.

As críticas também atingem o filho do presidente, Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), conhecido pela influência sobre o pai e por ser responsável por parte da comunicação das redes sociais do presidente. "Mano do céu...alguém muda a senha do twitter presidencial pro Carlos parar de ser meter. Que porra é essa ?", escreveu Santos em sua conta no Twitter no domingo. 

A rixa é recíproca e antiga: em 2017, o vereador foi à mesma rede social dizer que "o MBL nada mais é do que a "oposição" desejada e imposta pela mídia e pela esquerda!"

O discurso de que Bolsonaro está perdendo a batalha de comunicação da Previdência e precisa focar nisso é central nas críticas públicas do grupo. 

"O presidente precisa se preocupar com o que realmente importa: a Previdência. Desviar a atenção é fazer o jogo da oposição, boicotando o próprio governo e prejudicando o país", afirmou Kataguiri à reportagem.

O desgaste que pode prejudicar a aprovação da reforma, uma das principais pautas do MBL desde o impeachment, não é o único ponto de discordância do movimento com os Bolsonaro, porém.

Apesar de terem compartilhado pautas de costumes antes da eleição, como o Escola Sem Partido, integrantes do movimento dizem que a avaliação interna é de o governo é pior do que o grupo esperava durante as eleições. No primeiro turno, o MBL não teve candidato oficial à presidência. No segundo, decidiu fechar com Bolsonaro em detrimento da candidatura do PT. 

Agora, o grupo busca inclusive se afastar da agenda de costumes conservadora para criar uma diferenciação do bolsonarismo, e centralizar novamente o discurso na pauta econômica, em torno da qual foi criada o MBL.

No começo de sua trajetória, coordenadores afirmavam que o grupo possuía tanto conservadores como liberais no quesito de costumes. Segundo pessoas ouvidas pela reportagem, o grupo acabou se voltando para pautas do gênero em 2017 quando a agenda reformista de Michel Temer perdeu apoio e chances de aprovação por causa das denúncias contra o então presidente.

Parte do MBL demonstra simpatia com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que tem pretensões de concorrer à presidência em 2022.

Nos bastidores, afirmam que o movimento tentou viabilizar uma candidatura de Doria em 2018, mas que o então prefeito "se queimou", e o classificam como oportunista. Dizem, porém, que comparado a Bolsonaro o tucano seria mais palatável.

O sucessor de Doria na Prefeitura também está na mira do MBL. O grupo rompeu com a atual gestão paulistana após a curva à esquerda de Bruno Covas (PSDB), classificada pelos seus militantes como "estelionato eleitoral".

O ápice da guerra foi atingido nos últimos dias, após chuvas levarem caos e mortos à capital paulista, enquanto Covas fazia viagem a Berlim, na Alemanha.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Em ato de filiação de prefeita, Delcídio anuncia pré-candidatura ao governo em 2022
ELEIÇÕES

Em ato de filiação de prefeita, Delcídio diz que vai disputar governo em 2022

"Um companheiro de vida", diz viúva de Juvêncio durante velório
DESPEDIDA

"Um companheiro de vida", diz viúva de Juvêncio durante velório

Juvêncio seria homenageado pela Câmara Municipal na segunda-feira
LUTO

Juvêncio seria homenageado pela Câmara Municipal na segunda-feira

Nova direção do PT quer eleger até dez prefeitos em 2020
ELEIÇÕES 2020

Nova direção do PT quer eleger até dez prefeitos em 2020

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião