Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

FARRA GASTRONÔMICA

Mais um deputado banca rodízios <br>e álcool com dinheiro público

Zé Teixeira gastou R$ 1.640,50 de verba indenizatória da ALMS
06/10/2019 16:40 - GLAUCEA VACCARI


 

Deputado estadual Zé Teixeira (DEM) usou dinheiro público para pagar bebidas alcoólicas, carnes finas e rodízios para convidados. Irregularidades foram detectadas em documentos fiscais apresentados pelo parlamentar à Assembleia Legislativa e analisados pela ONG Operação Política Supervisionada (OPS), especializada na fiscalização de gastos públicos do Legislativo. No mês passado, o Instituto já havia constatado irregularidades no uso do dinheiro público por parte do deputado Pedro Kemp (PT), que bancou rodadas de cerveja, chope e vinho para sua equipe de gabinete.

Conforme o site Congresso em Foco, Zé Teixeira apresentou as notas à ALMS em 2017 e foi ressarcido em R$ 1.640,50. Dinheiro utilizado para a confraternização do deputado e amigos foi o da verba indenizatória, que é o recurso público destinado exclusivamente para custeio de mandato e tem regras que proíbem pagamento de refeição e bebida alcoólica a terceiros.

Documentos analisados pelo Intituto OPS apontam que em dezembro de 2016, Teixeira pagou jantar para amigos em um restaurante de São Paulo. A refeição, que incluiu pratos com filé mignon, lulas frescas, cordeiro assado e cerveja belga, custou R$ 605.

Aproximadamente um mês depois, em Dourados, ele bancou, com dinheiro público, oito rodízios de churrasco, num total de R$ 500. Em março de 2017, outro gasto, desta vez de R$ 535,50, referentes a almoço para cinco pessoas, de cortes finos de carnes.

Apesar das farras gastronômicas terem ocorrido em 2017, o caso veio à tona agora, após o trabalho de monitoramento e fiscalização realizado pelo Instituto OPS. A ONG está auditando quase mil notas fiscais e, a partir de quarta-feira (9), irá exigir que os deputados estaduais de Mato Grosso do Sul apresentem todos os documentos fiscais que foram ressarcidos a eles neste ano.

Kemp, que foi o primeiro que teve os gastos pessoais pagos com a verba pública levado a público, devolveu R$ 1.784,00 aos cofres da Assembleia, referente as despesas irregulares.

Zé Teixeira foi procurado pela reportagem para comentar o caso, mas preferiu não se manifestar .

Felpuda


A continuar disparando tantas críticas ácidas contradizendo o seu partido, que em nível nacional ganhou até um ministério, político cá dessas bandas poderá ser colocado de escanteio e, se continuar nessa cruzada nada palatável para as lideranças, ser convidado gentilmente a “procurar o caminhão do qual caiu”, como se diz no popular. Os comentários são de que o dito-cujo age assim mais para ganhar holofotes. Esqueceu-se, pelo que se vê, que poderá ocorrer curto-circuito. Ui!