Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

FUNDO DE EXPORTAÇÃO

Maia diz que garantia de R$ 109 milhões para MS será votada em fevereiro

Azambuja cogitou judicializar ação, mas presidente da Câmara disse que não será necessário

22 JAN 19 - 12h:06IZABELA JORNADA

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), declarou que não será necessário judicializar a ação que prevê a liberação dos R$ 109 milhões do Fundo de Auxílio Financeiro para Fomento das Exportações (FEX) provenientes para o Estado de Mato Grosso do Sul.

O governador do Estado de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), tinha cobrado, anteriormente, esses valores da União. Azambuja chegou a dizer que o recurso seria a alternativa para garantir o pagamento da folha e o controle de gastos em sua segunda gestão. 

A relatoria do processo está nas mãos do ministro Ricardo Lewandowski. “Já foi comprovado. Esperamos a sentença da receita que é dos estados e a União deixou de pagar. Um grupo de procuradores vai discutir no próximo governo o pagamento do fundo para os estados”, ressaltou o governador, na ocasião.

Na tarde de ontem (22), durante visita de Maia ao estado vizinho, Mato Grosso (MT), o presidente prometeu a votação da matéria até fevereiro e, na ocasião, defendeu a Lei Kandir.

O democrata esteve no Palácio Paiaguás, junto com a bancada de deputados federais de Mato Grosso, para pedir apoio à sua candidatura à reeleição na presidência da Câmara.

Durante coletiva de imprensa, Maia disse entender a importância do FEX para os cofres do Estado e que fará o possível para que a medida seja votada na Câmara. Mato Grosso tem direito a pouco mais de R$ 400 milhões. “No ano passado, o Senado votou e não chegou à Câmara. Mas, certamente, no primeiro mês de fevereiro a gente vai dar uma solução para este projeto. E o governo federal vai ter que se ajustar conosco, com o Congresso, para organizar o orçamento e cumprir pelo menos esse recurso, que vem entrando todos os anos em votação no Congresso”, disse.

A medida, até o momento, só passou no Senado e ainda não foi votada na Câmara. Maia disse não ser preciso a judicialização do caso, de modo a acelerar o pagamento. Ele ainda criticou o fato do governo federal, sob o mandato de Michel Temer (MDB), não ter enviado mais cedo o projeto que prevê a liberação do recurso.

“É um valor que já é pequeno em relação às demandas dos estados e municípios. Os estados com tantos problemas, e temos Mato Grosso como exemplo. Se é uma solução que vem sendo dada todos os anos, o governo federal deveria ter encaminhado um pouco antes. Infelizmente não deu”, afirmou.

“O Senado votou e agora a Câmara vai votar, sim. Não precisa judicializar. A gente constrói a solução para isso de forma negociada. Isso é mais importante”, disse.

LEI KANDIR

O presidente da Câmara garantiu, se reeleito para o comando da Casa de Leis, que irá promover mudança nos critérios da Lei Kandir – que isenta de ICMS os produtos primários de exportação.

Por conta desta lei, o Estado de MT tem sofrido perdas econômicas de até R$ 7 bilhões ao ano. Como retorno, recebe, com dificuldades, R$ 400 milhões do FEX.

“Vamos construir a solução na Lei Kandir e nas despesas do governo, que só tem R$ 30 bilhões para investimento. Como ele vai repor os R$ 40 bilhões da Lei Kandir, que é a demanda de todos os estados brasileiros? Essa discussão precisa ser feita. É justo que o governo federal não tenha os R$ 40 bilhões tendo uma arrecadação primária de R$ 3,3 trilhões?”, questionou.

“Por isso, digo que temos que discutir a redução das despesas do governo para que a gente possa renovar a Lei Kandir em outras condições, e que o governo possa cumpri-la, o que não fez nos últimos 20 anos”, completou.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

PECs do governo só serão votadas no próximo ano, diz Simone Tebet
BRASÍLIA

PECs do governo só serão votadas no próximo ano, diz Simone Tebet

PT e PSL devem ficar com quase 20% do fundo eleitoral
ELEIÇÃO

PT e PSL devem ficar com quase 20% do fundo eleitoral

“Isso é obrigação”, diz Trad sobre contrapartida do Estado em obras
ELEIÇÕES 2020

“Isso é obrigação”, diz Trad sobre contrapartida do Estado em obras

Simone Tebet pauta votação do projeto da segunda instância para terça-feira
CCJ

Simone Tebet pauta votação do projeto da segunda instância para terça-feira

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião