Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ligações perigosas

Lula diz a rádio que é grato
a Sarney e Renan Calheiros

25 AGO 17 - 23h:00FOLHAPRESS

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu, nesta sexta-feira (25), o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) ante as denúncias de que é alvo na operação Lava Jato.

Em entrevista a rádios, o petista disse que "Renan pode ter todos os defeitos", mas ajudou seu governo: "Sou da opinião de que todo mundo é inocente até que se prove o contrário".

"Se quero para mim a [presunção da] inocência até que se prove o contrário, tenho que querer para os outros também", disse Lula, à mesa com a ex-presidente Dilma Rousseff.

No Senado, Renan votou pelo impeachment de Dilma em 2016. Questionado sobre um encontro programado com o ex-presidente José Sarney (PMDB) durante sua visita ao Maranhão, Lula se disse grato ao peemedebista.
"Sou grato a Sarney. É importante que se diga. Sou grato a Sarney como presidente do Senado", disse Lula.

E acrescentou: "Teve um tempo que as pessoas queriam que eu rompesse com Sarney. E eu iria ganhar de presente o Marconi Perillo [PSDB] como presidente do Senado. Eu deixaria de ter um tubarãozinho manso para ter um tubarão louco mordendo até o pé".

Na entrevista, concedida ao lado da presidente do PT, Gleisi Hoffmann, Lula definiu como "questão de honra" a regulamentação da mídia, caso seja eleito.

O ex-presidente disse ainda que a chamada esquerda petista e os movimentos de esquerda têm que se esforçar para eleger maior número de parlamentares que os representem.

"Não quero ter um partido político que faça que nem o partido comunista italiano fez durante 30 anos. Era o melhor partido comunista do mundo mas não passava de 30% [do eleitorado]. Para se eleger, precisa de 50% mais um", argumentou.

A entrevista aconteceu após um café da manhã com o senador Armando Monteiro (PTB) e o deputado Sílvio Costa (PT do B). Monteiro quer concorrer ao governo de Pernambuco em 2018 com o apoio do PT. Na quinta, Lula jantou com o governador do Estado, Paulo Câmara (PSB), a convite de Renata Campos, viúva do ex-governador Eduardo Campos, morto em 2014.

O encontro foi interpretado como um sinal de reaproximação entre PT e PSB. Paulo Câmara também espera o apoio de Lula no ano que vem.

No PT, a vereadora Marília Arraes busca o aval de Lula para concorrer ao governo do Estado. Neta do ex-governador Miguel Arraes, Marília diz que não há condições de o PT se aliar ao PTB e o PSB em Pernambuco.

Afastada da Presidência com o voto de parlamentares do PSB e do PTB, Dilma testemunhou a entrevista de seu padrinho político. A ex-presidente chegou na manhã desta sexta-feira para integrar a caravana de Lula.

Ao comentar a movimentação do ex-presidente, um dirigente petista afirmou: "É Lula sendo Lula".

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Azambuja investe em reeleição <br>de Marcos Trad
ALIANÇA

Azambuja investe
em reeleição de Marcos Trad

GOVERNO

Senadores intensificam ofensiva contra Supremo com PEC

PEC estabelece mandato de oito anos para integrantes do STF
Bolsonaro entrega reforma previdenciária dos militares ao Congresso
NESTA TARDE

Bolsonaro entrega reforma previdenciária dos militares ao Congresso

Relatório de emenda que limita atuação de promotores é adiado
INVESTIGAÇÃO DE AUTORIDADES

Relatório de emenda que limita atuação de promotores é adiado

Mais Lidas