Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 20 de novembro de 2018

MANIFESTAÇÃO

Integrantes de movimentos Sem-terra protestam na Assembleia Legislativa

Eles querem apoio para reunião com Temer sobre reforma agrária

29 AGO 2017Por Izabela Jornada13h:35

Mais de 500 manifestantes de movimentos Sem-terra lotaram a Assembleia Legislativa na manhã de hoje.

Representantes do Movimento da Agricultura Familiar (MAF) apresentaram documento pedindo intervenção do governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB) junto ao presidente da República, Michel Temer (PMDB).

O secretário de administração e desburocratização, Carlos Assis, o secretário adjunto da Semagro, Ricardo Senna, e deputados da base do Governo, representaram Azambuja.

O diretor nacional do MAF, Ney Merlin declarou que há nove anos famílias estão sem receber titularidade de terras. "O Incra tem R$ 80 milhões para aquisições de terras e queremos que aquisições aconteçam aqui no Estado. Só nos outros que sai terra, aqui não sai", disse o diretor do movimento.

Em contrapartida, os representantes do Governo declararam que vão atender às reivindicações e que a Agraer também será parceira no processo de interlocução.

REIVINDICAÇÕES

Entre as reivindicações, manifestantes pedem aquisição de áreas para reforma agrária, melhorias para os assentamentos já existentes, como moradias, infraestrutura e liberação de financiamentos através do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), liberação do cartão reforma para as moradias já existentes, levantamento de famílias ativas nos municípios, cadastramento dos candidatos no sistema estadual e nacional de seleção de famílias no Sistema de Informações de Projetos de Reforma Agrária, retorno da execução das moradias no campo pelo Incra no Programa Nacional de Habitação Rural e esclarecimento das diretrizes orçamentárias destinadas ao Plano Nacional de Reforma Agrária de 2017.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também