ESQUEMA

Indiciado na Lava Jato, Vander teve contas pagas por empresa de doleiro

Deputado federal foi indiciado na semana passada por corrupção e lavagem de dinheiro
08/09/2015 09:50 - ALINY MARY DIAS


 

Indiciado na semana passada pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o deputado federal Vander Loubet (PT) teve dívidas pessoas e de campanha quitadas por empresa ligada ao doleiro Alberto Youssef, a informação foi divulgada nesta terça-feira (8) pelo jornal Folha de São Paulo.

Vander é investigado por inquérito comandado pela Polícia Federal na Operação Lava Jato, que desarticulou esquema de propina na Petrobras.

Conforma a apuração do jornal paulista, débitos de Vander e da esposa, de pelo menos R$ 144 mil, foram pagos pela empresa Arbor, responsável pela contabilidade do doleiro Youssef, um dos operadores do Petrolão.

Em depoimento na CPI da Petrobras, a contadora que administrava a empresa, Meire Poza, afirmou que a empresa emitiu R$ 7 milhões em notas frias para cobrir despesas do doleiro.

Ainda conforme a Folha de São Paulo, as contas de Vander eram referente aos gastos dele durante campanha de 2012 ao cargo de prefeito de Campo Grande. Nessa época, uma produtora chamada Accorde gravou programas de TV para Loubet e em 2013, no ano seguinte, a Arbor repassou R$ 50 mil para a produtora.

Outro gasto de Vander durante a campanha coberto pela empresa do doleiro foi no valor de R$ 130 mil. O débito era com a empresa Carolina Tur Conveniência, que tem como proprietário Flávio Pereira Moura, filho do deputado estadual Cabo Almi (PT). Na época, Almi era vice-candidato à prefeitura da Capital na chapa de Loubet.

Agora, depende de decisão do juiz Sergio Moro se o caso será encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF).

À Folha de São Paulo, o deputado federal afirmou que os esclarecimentos estão sendo prestados aos órgãos federais. O filho de Cabo Almi não foi localizado pela reportagem.

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".