Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

PREVIDÊNCIA

Impacto é de R$ 913 bilhões, diz relator da reforma

Confira o que mudará em pensões e aposentadorias

13 JUN 19 - 12h:17ESTADÃO CONTEÚDO

O relatório da reforma da Previdência, entregue nesta quinta-feira, 13, pelo deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), prevê uma economia fiscal exata de R$ 913,4 bilhões em dez anos, informou a assessoria do parlamentar.

Além disso, com o fim da transferência dos recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) para o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o impacto total chega a R$ 1,13 trilhão. 

A proposta original do governo previa uma economia de R$ 1,2 trilhão em dez anos, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu por diversas vezes que o texto final mantivesse uma potência fiscal de pelo menos R$ 1 trilhão. 

Trava nas idades mínimas

O relatório da reforma da Previdência trava as idades mínimas para aposentadoria em 57 anos para mulheres e 60 anos para homens, para os trabalhadores que contribuem para o INSS e que estiverem dispostos a pagarem um “pedágio” de 100% do tempo que ainda falta para se aposentarem. 

Ou seja, quem estiver disposto a trabalhar o dobro do tempo que faltaria pelas regras atuais poderá se aposentar com a idade inicial da transição, sem o aumento escalonado até 62 anos para mulheres e 65 anos para homens. 
Para os professores, essa “trava” é de 55 anos para as mulheres e de 58 anos para os homens. 

Pensões

O relatório da reforma da Previdência mantém a regra do cálculo das pensões proposta pelo governo, de 50% do valor da aposentadoria, mais 10% por dependente. O texto avança, porém, ao garantir o pagamento de 100% do benefício quando houver dependente inválido, com deficiência grave, intelectual ou mental. 

“Certamente, o custo de vida da pessoa com deficiência é bem superior ao das demais pessoas, especialmente na ausência de familiares que possam prover cuidados necessários para o exercício de atividades da vida diária, que possibilitem sua participação na vida comunitária”, afirmou o relator, no texto.

O relatório ainda garante pensão de ao menos um salário mínimo quando essa for a única fonte de renda dos beneficiários. 

Abono salarial

Como já era esperado, o relatório da reforma, entregue pelo deputado Samuel Moreira, prevê o pagamento do abono salarial para quem ganha até R$ 1.364,43 mensais.

Atualmente, o benefício é pago para os trabalhadores que recebem até dois salários mínimos por mês (R$ 1,996,00), e a proposta original do governo era de que o abono só fosse pago para quem recebe o piso salarial (R$ 998,00). 

Conforme adiantou o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), a proposta do relatório para o abono reduz o impacto da medida em R$ 70 bilhões a R$ 80 bilhões. Pela ideia original do governo, a mudança renderia uma economia de R$ 169,4 bilhões em uma década.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Estudante de medicina abandona amigo ferido após carro capotar
PONTA PORÃ

Estudante abandona amigo ferido após carro capotar

GOVERNO

Bolsonaro pede que cobrem senadores manutenção do decreto sobre armas

Comentário foi postado no Twitter no presidente
Eleição do PSD deve confirmar Nelson Trad no comando do PSD em MS
RECONDUÇÃO

Eleição do PSD deve confirmar Nelson Trad no comando do PSD em MS

Baixa no preço do transporte público deve ser discutida no Senado
BUSCANDO REDUÇÃO

Baixa no preço do transporte público deve ser discutida no Senado

Mais Lidas