Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 19 de setembro de 2018

ELEIÇÕES 2018

Haddad volta a Curitiba na segunda para manter simbolismo de que é o "homem de Lula"

14 SET 2018Por FOLHAPRESS18h:15

O simbolismo será mantido. Pelo menos nesta segunda-feira (17), quando o candidato do PT ao Planalto, Fernando Haddad, voltará a Curitiba para uma conversa com o ex-presidente Lula.

A previsão é que o presidenciável viaje na parte da tarde, após participar de sabatina promovida pelo UOL em parceria com a Folha de S.Paulo e o SBT.

Antes de ter sua candidatura oficializada, na terça (11), Haddad visitava Lula religiosamente às segundas-feiras para tratar, entre outros temas, da estratégia de sua campanha que -sabiam os dois e todo o PT- seria colocada na rua no limite do prazo da Justiça Eleitoral para a troca da chapa.

Aliados do agora candidato defendem que as viagens semanais à capital paranaense continuem até o primeiro turno -seriam três visitas até 7 de outubro-, principalmente para mostrar ao eleitor petista que Haddad é o homem do ex-presidente, leal a ele e a seu projeto.

Lula já deu as principais orientações para seu herdeiro político, inclusive ao acompanhar de perto a elaboração do programa de governo do partido, portanto, a partir de agora, deve mandar recados pontuais e atuar de forma mais assertiva somente diante de uma reviravolta.

A expectativa na campanha do PT é que, nas próximas semanas, Haddad decole nas pesquisas ao ser atrelado ao nome de Lula -antes de ser barrado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), o ex-presidente tinha 39% das intenções de voto, segundo o Datafolha.

O roteiro da campanha foi traçado de dentro da cela de Lula nos dias que antecederam a oficialização da candidatura: o objetivo é que Haddad se torne conhecido e consiga a transferência de votos de seu padrinho político, fazendo com que o eleitor entenda que é o representante de Lula nas eleições.

Para isso, o plano a seguir é quase previsível, com ordem de investir na comunicação, para garantir a eficácia da mensagem de que é o candidato do ex-presidente, e viajar para o Nordeste, reduto eleitoral mais fiel ao PT. Giros pelo Sudeste, onde estão grandes colégios eleitorais do país, também estão na rota petista.

Haddad incorporou dois de seus principais aliados à equipe de campanha, Emidio de Souza na coordenação-geral, e Chico Macena na tesouraria.

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann (PR), resistente ao nome do ex-prefeito de São Paulo como candidato até o último minuto, não deve participar do dia a dia da campanha. Historicamente, o presidente nacional do PT é também o coordenador-geral da campanha do partido ao Planalto.

Não será o caso de Gleisi. Ela é candidata a deputada federal e diz que precisa se dedicar à própria campanha. A previsão é que participe apenas dos encontros mais amplos e não aconselhe diretamente o candidato.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também